Nas malhas do tráfico negreiro: Alufá Rufino e o Atlântico Sul do século XIX - por Rafael Marquese!

AINDA QUE NÃO SEJA 
tão usual como nas "ciências duras", o trabalho colaborativo em ciências sociais revela, em seus diversos campos, uma longa história de sucessos.

É o caso do notável banco de dados sobre o tráfico transatlântico de escravos elaborado por um grupo internacional de historiadores nas últimas três décadas, disponível em slavevoyages.org

Em "O Alufá Rufino - Tráfico, Escravidão e Liberdade no Atlântico Negro (c. 1822-c. 1853)" [Cia. das Letras, 488 págs., R$ 62], João José Reis, Flávio dos Santos Gomes e Marcus Joaquim Maciel de Carvalho, três dos maiores especialistas na escravidão brasileira, juntaram-se numa empreitada que, ao narrar uma trajetória de vida fascinante, joga luz sobre importantes aspectos da história brasileira, africana e mundial.

O leitor se vê diante de uma pletora de temas, todos abordados com bastante cuidado: a conturbada história da Iorubalândia -a vasta região habitada pelos povos de fala iorubá, compreendendo terras nas atuais Nigéria e Benin; a escravidão urbana em diferentes províncias brasileiras; a resistência escrava no Brasil; as realidades de cidades africanas como Luanda e Freetown; as engrenagens do tráfico transatlântico de escravos na era da ilegalidade; o antiescravismo britânico; os processos de formação cultural e reconfiguração identitária na diáspora africana.

Os autores estão entre os maiores especialistas na escravidão brasileira: cada qual escreveu obras decisivas para a compreensão de nosso passado escravista, como as que tratam do maior levante de escravos urbanos na história das Américas, a Revolta dos Malês, ocorrida em Salvador, em 1835, trabalho de João José Reis ["Rebelião Escrava no Brasil", Cia. das Letras]; das múltiplas formas de resistência escrava em quilombos do Amazonas, do Maranhão, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro ["A Hidra e os Pântanos", Unesp, de Flávio dos Santos Gomes]; ou da movimentada história da província de Pernambuco entre a Independência do Brasil e a Revolta Praieira (1848), de Marcus Joaquim Maciel de Carvalho.
ACESSE A RESENHA NA ÍNTEGRA:
http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com/2010/11/nas-malhas-do-trafico-negreiro-alufa.html

A Bahia de São Salvador de todos os santos e africanos

Investigações sobre o tráfico, redes de comércio e as sociedades da África Ocidental relevam identidades africanas na Bahia dos séculos XVII e XVIII
Cena de rua em Salvador (BA), feita no ano de 1900. A presença de negros africanos,
escravos libertos ou cativos, fazia-se notável. A cidade chegou a ser descrita como uma "Nova Guiné"
No século XVIII, os minas se tornaram a maioria dos escravos africanos em toda a Bahia. Sua presença, entretanto, fazia-se sentir com mais força em Salvador. De 612 escravos africanos relacionados nos inventários da primeira Assim como ocorreu com os africanos centro-ocidentais no século XVII, havia - no tocante aos africanos ocidentais - considerável diversidade étnica, com um universo variado de nações: benins, cachéus, couranas, cabo-verdes e são-tomés. Além disso, surgiam com maior freqüência moçambiques e mocorongos, africanos da África Oriental. Nessas classificações e denominações diversas, podemos encontrar termos que podem remeter para grupos étnicos do interior africano, como guiné calumbê e ozobenim. É também nesse período que aparecem os primeiros registros de africanos denominados nagôs (0,65%), nação africana que seria responsável, em 1835, pela Revolta dos Malês. Enfim, entre os séculos XVII e XVIII, localiza- se na Bahia a transição demográfica de natureza étnica da predominância de africanos centro-ocidentais (especialmente angolas, congos, massanganos e matambas) para aqueles africanos ocidentais (jejes, nagôs, tapas e bornu). Na segunda metade do século XVIII e as primeiras décadas do século XIX, os africanos ocidentais vieram a conformar definitivamente o perfil étnico e cultural da população africana urbana, deixando marcas indeléveis em Salvador até nossos dias.
CARLOS FRANCISCO DA SILVA JÚNIOR é aluno de Mestrado em História da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

ARQUIVOS SECRETOS

Os depoimentos dados por Dilma Rousseff no Dops em 1970 ficaram trancafiados por décadas no cofre do Superior Tribunal Militar. 
Agora, eles vêm a luz no blog do jornalista João Roberto Laque.
Para conhecer os detalhes do que a futura presidente revelou aos seus carrascos acesse:www.blogdolaque.blogspot.com

Eventos: "Consciência em Poesia" com Elisa Lucinda

(CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

PALESTRA

ENTRE A CRUZ E O TRABALHO - a exploração da mão-de-obra indígena no sul da Bahia (1845-1875)
26 de novembro das 17 às 18:30 horas | Auditório do Museu | Livre

Entrada Franca | Será fornecido certificado

A UEFS Editora e a Livraria LDM convidam para o lançamento do livro:

O Centro Histórico
da Cidade do Salvador
Sua integração sociourbana
de Juarez Duarte Bomfim
 Sábado, 27 de novembro de 2010,
a partir das 10h, na Livraria LDM.
A Obra:

Fundada em 1549, Salvador foi a capital do Brasil Colônia até 1763 e hoje é a terceira cidade do país em população. Mas, o que aconteceu com ela? O que é seu Centro histórico, que se tornou Patrimônio da Humanidade? Por que e como, no início da década de 1990, os moradores do Pelourinho foram deportados?

Com lúcida paixão pela cidade em que nasceu, Juarez Duarte Bomfim se fez essas e outras perguntas durante anos. Para respondê-las, escreveu este livro, cujo texto é, originalmente, a tese de doutorado em Geografia, aprovada com louvor, que ele defendeu na Universidade de Salamanca, Espanha, em 2007.

Resultado de extensa e consistente pesquisa bibliográfica e de campo, é um livro essencial para se compreender por que Salvador, construída como um símbolo da cultura europeia na América, uma afirmação do Império ultramarino português, em pleno Renascimento, veio a se transformar, ao longo de meio milênio, no símbolo mais expressivo da cultura afro-brasileira.

O Autor:

Juarez Duarte Bomfim, baiano de Salvador, nascido em 1959, é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; professor-adjunto do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Estadual de Feira de Santana (DCHF-UEFS), da Área de Conhecimento em Ciência Política. Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Urbana. É colaborador do JornalGrandeBahia.com.br
E-mail de contato: juarezbomfim@uol.com.br

Encontro com o Escritor vira livro

Projeto iniciado nas bibliotecas públicas, em 2002, homenageia escritores participantes com publicação
 
Os autores que participaram do Encontro com o Escritor, um projeto da Diretoria de Bibliotecas Públicas (DIBIP) da Fundação Pedro Calmon/Secult, ganharão mais uma homenagem com a publicação de um livro que leva o nome do projeto. O lançamento ocorrerá no dia 30 de novembro (terça-feira), a partir das 14h30, junto aos Seminários Novas Letras, realizado pelo Núcleo do Livro, Leitura e Literatura – NLLL, no auditório da Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Barris). O livro Encontro com o Escritor 2002-2009 reúne 55 autores que estiveram nas bibliotecas durante esse período, em encontros literários para falarem de suas obras e de seus processos criativos.
Os leitores encontrarão no livro nomes como: Aleilton Fonseca, Antonio Barreto, Antônio Cedraz, Aramis Ribeiro Costa, Betty Coelho, Carlos Ribeiro, Evelina Hoisel, Gláucia Lemos, Guido Guerra, Hélio Pólvora, Luís Henrique Dias Tavares, Lúcia Santóri-Carneiro, Mãe Stella de Oxossi, Myriam Fraga, Orlando Senna, Ubiratan Castro de Araujo, Valdomiro Santana, entre dezenas de outros.
 “O ‘Encontro com o Escritor’ é um dos projetos mais importantes da grade de programação da Diretoria de Bibliotecas Públicas do Estado da Bahia. A publicação desse livro com textos dos autores que foram homenageados é mais uma ação do projeto no intuito de valorização e divulgar a literatura baiana”, destaca Kilma Alves, diretora da DIBIP.
O objetivo principal do Projeto Encontro com o Escritor é divulgar a produção dos escritores baianos e aproximá-los dos frequentadores assíduos das bibliotecas públicas. Através de palestras, bate-papo ou leitura pública de textos literários, os autores apresentam sua arte, revelam muito de sua formação e processo criativo e, por fim, dialogam com o público presente.
O diretor da Fundação Pedro Calmon, Ubiratan Castro de Araújo, afirma que as bibliotecas, que se caracterizam por “guardar” o conhecimento, transformam-se então em meio de propagação da arte e da cultura contemporâneas, bem como divulgadoras da literatura e promotoras da interação do leitor com o escritor. “Somos educados a admirar os escritores mortos, inacessíveis e que ou conhecemos parcialmente ― pela sua arte ― ou “de segunda leitura”, pela opinião alheia de críticos e biógrafos. Portanto, é em projetos como este que o leitor “aproveita” o escritor e constrói sua própria opinião”, justifica Ubiratan Castro no prefácio da obra.
Nova publicação – Os escritores que participaram do projeto em 2010 e os que participaram nos anos seguintes, deverão fazer parte de uma nova publicação nos próximos anos, com data ainda a ser confirmada. Os encontros são realizados na Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Barris), Biblioteca Infantil Monteiro Lobato (Nazaré), Biblioteca Pública Thales de Azevedo (Costa Azul), Biblioteca Anísio Teixeira (Ladeira de São Bento), Biblioteca Juracy Magalhães Júnior (Rio Vermelho), todas em Salvador. Também recebem o projeto, a Biblioteca Juracy Magalhães Júnior em Itaparica, a Casa Afrânio Peixoto em Lençóis e a Biblioteca de Extensão, que circula bairros e cidades com o carro-biblioteca.
SEMINÁRIO NOVAS LETRAS
Programação:
O evento iniciará com as palestras:
·         Luiz Gama e a construção do destino, com Myriam Fraga;
·         Boca e papel: espaços de fricções da palavra poética, com Edilene Matos;
·         Cruz e Sousa: uma poesia sem cor?, com Florentina Silva
Logo após:
Recital de poesias com José Carlos Limeira;
       Lançamento do livro Encontro com o Escritor,

CONCURSO PARA PROFESSOR - UFOP

ÁREA: HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA.
Departamento de História do Instituto de Ciências Humanas e Sociais
Telefone: (31) 3557-9430. E-mail: dirichs@ichs.ufop.br
PROGRAMA
1- Crise da monarquia escravista e construção da ordem republicana.
2- Trabalhismo e populismo.
3- Projetos de modernização
4- Modernismos e nacionalismo na cultura.
5- História da historiografia brasileira no século XX.
6- Autoritarismo e democracia.
7- Sociedade civil e resistência política.
8- Dilemas políticos e sociedade no Brasil pós-1985.
9- História do tempo presente: questões teóricas e metodológicas.

3.3.1 As inscrições serão realizadas exclusivamente pela “internet” no endereço www.concurso.ufop.br. das 09 (nove) horas do dia 24/11/2010 até às 23 horas e 59 minutos do dia 04/01/2011.

LANÇAMENTO: Coronéis do Cacau

A Obra: Nova edição revisada da pesquisa do historiador Gustavo Falcón sobre o coronelismo na Bahia. O autor discorre especialmente sobre a formação histórica do mandonismo e seus efeitos sobre a região de Ilhéus, principal centro da cultura do cacau. A edição original é de 1995.

25 de novembro de 2010, às 18 horas, na Livraria LDM
Mais informações:
71 2101-8007/ 8000

Lançamento dos livros - A Bahia e os seus Governadores na República e Povoamento da Cidade do Salvador

Fundação Pedro Calmon promove lançamento de livros históricos
A Bahia e os seus Governadores na República e Povoamento da Cidade do Salvador voltam para o público em edições fac-similares de suas primeiras edições
  Leitores e pesquisadores, interessados em livros históricos, terão acesso a duas importantes obras da cultura baiana, no próximo dia 24 de novembro (quarta-feira), às 17h, na Academia de Letras da Bahia, com o lançamento dos livros A Bahia e os seus Governadores na República, de Antônio Ferrão Moniz de Aragão e Povoamento da Cidade do Salvador, de Thales de Azevedo. São obras da história da Bahia que voltam ao público em edições fac-similares de suas primeiras edições, em uma parceria entre a Fundação Pedro Calmon/Secult e a UEFS Editora, da Universidade Estadual de Feira de Santana.
O livro Povoamento da Cidade do Salvador foi publicado pela primeira vez em 1949, como um dos trabalhos da série Evolução Histórica da Cidade do Salvador, comemorativa do IV Centenário da Cidade (1549-1949). É um clássico da historiografia baiana, e traz uma nova maneira de abordar a História.
A Bahia e os seus Governadores na República integra a coleção Obras Raras da Cultura Baiana, nascida da colaboração editorial entre a Fundação Pedro Calmon e a UEFS Editora, e cujo objetivo é resgatar a memória literária, histórica e política da Bahia, através da reedição de obras valiosas e esquecidas. No seu primeiro volume, lançado em abril deste ano, a coleção recuperou a célebre novela Jana e Joel, de Xavier Marques (já esgotada e que deverá ganhar uma segunda edição em 2011), e agora traz ao público a obra de Antônio Ferrão Moniz de Aragão.
Ao retratar os primeiros governadores baianos durante o período republicano, Antônio Moniz faz uma lista de todos aqueles distintos homens da política baiana e ainda fornece detalhes e minúcias de suas ações e biografias. “Trata-se, indubitavelmente, de um estudo perene e revelador, fruto de uma rigorosa atividade de pesquisa. Um livro que, quando aberto, imediatamente nos transporta para a História da implantação do regime republicano na Bahia”, diz o prof. Ubiratan Castro de Araújo, diretor da Fundação Pedro Calmon.
Novos lançamentos – Dentro do selo Obras Raras da Cultura Baiana, também está o selo Memória da Literatura Baiana, que trará para o público no dia 3 de dezembro o lançamento do livro Bem que te avisei, livro póstumo de Damário Dacruz. Também para dezembro, será lançada uma edição fac-similar da Revista Hera de Feira de Santana, que circulou de 1972 até 2005 e teve 20 edições. A edição de número 14, de 1982, foi totalmente dedicada ao escritor Carlos Drummond de Andrade, que ficou tão sensibilizado que mandou uma carta de agradecimento, que também estará na publicação.
Em 2011 serão lançadas as edições fac-similares dos livros O Animismo Fetichista dos Negros Bahianos, de Nina Rodrigues, da 2º edição de 1935 e Uma Comunidade Rural do Brasil Antigo _ Aspectos da vida patriarcal no sertão da Bahia nos séculos XVIII e XIX, de Licurgo Santos Filho da 1º edição de 1956.
 
Onde: Academia de Letras da Bahia - Av. Joana Angélica, 198, Palacete Góes Calmon - Nazaré
Quando: Dia 24 de novembro (quarta-feira), às 17h
Quanto: R$ 15 e R$ 20, respectivamente
Entrada: Franca
Contato: (71) 3116-6677

SEMINÁRIO: A URBANIZAÇÃO DE SALVADOR EM TRÊS TEMPOS: COLÔNIA, IMPÉRIO E REPÚBLICA

(CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

1º Encontro da Consciência Negra no Campus XIII: Letras, História e Educação, unindo forças em prol de uma Educação Anti-racista

(CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

EDUFBA promove Feira de Livros com preços especiais

Entre os dias 29/11 a 03/12, entre às 08h30 e 17h30, a Editora da Universidade Federal da Bahia, promoverá a Feira de Livros da EDUFBA. O evento que já acontece há alguns anos, ocorrerá nas livrarias da Biblioteca Central e do Canela. Justamente para manter a tradição de bons preços, nessa edição os livros estarão com descontos de até 50%. Uma maneira inteligente de presentear alguém ou a si mesmo nessa época de festas. 
 
Quando: De 29 de novembro a 03 de dezembro de 2010, entre às 08h30 e 17h30
Onde: Livraria 1: Rua Augusto Viana, s/n, (Estacionamento da Reitoria), Campus do Canela; Livraria 2: Rua Barão de Jeremoabo, s/n (Biblioteca Reitor Macedo Costa), Campus de Ondina
 
Contato: Gildásio (Eventos) - prodgil@gmail.com / (71) 3283.6777 (das 13 às 17 horas)
-- 
EDUFBA - Editora da Universidade Federal da Bahia
Assessoria de Comunicação
Vagner Campos Araujo
Telefones: (71) 3283-6160
Fax: (71) 3283-6160
www.edufba.ufba.br
imprensaedufba@ufba.br

IPAC - INICIA SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE RESTAURO

Vagas são limitadas a 150 lugares, podendo se inscrever estudantes, pesquisadores, professores, especialistas e qualquer interessado da área de restauração de bens móveis integrados

 
O prédio da Faculdade de Medicina da Bahia no Terreiro de Jesus, Centro Histórico de Salvador, que abriga o mais antigo curso de nível superior de medicina do Brasil sediará nos próximos dias 24, 25 e 26 (novembro, 2010) o Seminário Internacional Restauro de  Bens Móveis Integrados na Bahia. O encontro promoverá, ainda, o Fórum de Políticas Culturais em Conservação e Restauro de Bens Móveis Integrados com a temática: Carências históricas, importância estratégica.

Promovidos pelo Governo da Bahia, através do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC) e Secretaria de Cultura (SecultBA), em parceria com a Escola de Belas Artes (EBA) da Universidade Federal da Bahia (Ufba), os dois eventos terão vagas limitadas em 150 lugares devido à capacidade no antigo anfiteatro da faculdade.

O seminário terá participação de representantes franceses do Museu Rodin Paris, restaurador da Itália, Gianmario Finadri, além de especialistas de Minas Gerais, Pernambuco e Rio de Janeiro, entre outros estados brasileiros. Da Bahia, participam professores e técnicos da Faculdade de Arquitetura e da EBA/Ufba, como o arquiteto especialista Mário Mendonça Filho, o renomado restaurador José Dirson Argolo e a museóloga Heloísa Costa membro do Conselho Internacional de Museus, consultora da Unesco e professora visitante da Université du Québéc e Laval (Canadá), Newcastle University (Inglaterra), Universidade de Valencia (Espanha) e Universidade de Buenos Aires (Argentina).

Estarão presentes também representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Ministério da Cultura e da Associação Brasileira de Conservadores-Restauradores de Bens Culturais (Abracor). Podem participar dos dois eventos restauradores, estudantes, professores, pesquisadores, gestores públicos e privados, especialmente de belas artes, arquitetura, química, biologia, história e museologia, campos que obrigatoriamente atuam na restauração de bens móveis integrados ou qualquer outro interessado no tema em questão.

Segundo o diretor geral do IPAC, Frederico Mendonça, o seminário e fórum têm objetivo de proporcionar discussão acerca do restauro de bens móveis e integrados, enriquecido pelo conhecimento de novas técnicas e experiências de capacitação da área no Brasil e exterior. “Estreita ainda as relações culturais com a França já que o IPAC/Secult encontra-se responsável pelas peças do escultor francês Auguste Rodin no Palacete das Artes”, complementa Mendonça. Para o dirigente estadual, os eventos contribuem igualmente para a construção de proposta de organização do segmento de restauro no âmbito da Bahia.

Dentre as mesas e palestras do Seminário estão os temas de Conservação e restauro no Museu Rodin Paris, Técnicas em metal e gesso, Técnicas em cantaria, Novas Tecnologias, Panorama do Restauro na Bahia, Formação e técnicas de restauro de azulejos, Experiências brasileiras na estruturação de centros de restauro e Formação de profissionais de restauro. Já o Fórum de Políticas Culturais constará de mesas e debates com as temáticas de Políticas e programas institucionais e Formação e perfil profissional.

O evento acontece de 24 a 26 deste mês (novembro, 2010), começando sempre às 9 horas e finalizando às 19 horas. Para inscrições deve-se enviar mensagem para o endereço eletrônico seminário.ipac@gmail.com e obter mais informações através dos telefones 3117-6491 e 3117-6492, durante horário comercial, de segunda à sexta-feira.
 

Assessoria de Comunicação – IPAC – em 17.11.2010 -                                                                           Jornalista responsável Geraldo Moniz (1498-MTBa) – (71) 8731-2641                                                     Texto: Lucas Franco e Geraldo Moniz –                                                                                                      Contatos ASCOM/IPAC: (71) 3116-6673, 3117-6490, ascom,ipac@ipac.ba.gov.br.
Acesse: www.ipac.ba.gov.br Facebook: Ipacba Patrimônio  Twitter: @ipac_ba

Uma história do exercício da cidadania no Brasil

A livraria LDM e João Rocha Sobrinho
convidam para o lançamento da obra
Uma história do
exercício da
cidadania
no Brasil
Sábado, 20 de novembro de 2010, a partir das 10h, na Livraria LDM.
(Rua Direita da Piedade, nº22, Piedade. Próximo à Secretaria de Segurança Pública e ao Banco do Brasil.).

Mais informações:
71 2101-8007/ 8000

ESCRAVIDÃO E POLÍTICA: DE ROMA ÀS AMÉRICAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS - CAMPUS V
 SEMINÁRIOS PERMANENTES DE HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL
XIX Semana de Consciência Negra; IV Fórum Pró-Igualdade Racial e Inclusão Social Santo Antonio Negro
ESCRAVIDÃO E POLÍTICA: DE ROMA ÀS AMÉRICAS
Coord. : Profa. Me. Elisângela Sales Encarnação (UNEB)
Palestrantes: Prof. Dr. Fábio Duarte Joly (UFRB); Prof. Dr. Rafael de Bivar Marquese (USP)
Data: 17/11/2010
Local: Auditório Prof. Milton Santos
UNEB - Campus V
Horário: 16h

LENINE: SOB O MESMO CÉU

Salvador comemora Semana da Consciência Negra

Na semana de comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro), a Prefeitura Municipal, através da Secretaria da Reparação (Semur), sobe o alto da Sagrada Colina, no Bonfim, na próxima sexta-feira (19), para celebrar missa em ação de graças em memória de Zumbi, o Rei dos Palmares. Também marcam as comemorações, homenagem a Zumbi (dia 20) e o lançamento da Cartilha ‘Cotas porque Sim’, no dia 25 (quinta-feira).  
Também fazem parte das comemorações da sexta-feira (19), a Ação Cidadania Afro da OAB, das 9h às 17h, na Praça Municipal, e a apresentação de Serviços e Projetos da Semur, às 15h, no Espaço Cultural da Barroquinha. As atividades do dia serão encerradas com a discussão sobre o Momento Negro na Política Nacional, no Espaço Tolu, final de linha da Fazenda Grande do Retiro.
No dia 20, quando o país comemora o Dia da Consciência Negra, a Semur realiza ato institucional em homenagem a Zumbi. O momento ocorrerá às 15 horas, na Praça da Sé, quando serão colocadas flores na estátua do guerreiro negro, com a execução do Hino Nacional pela banda da Policia Militar do Estado da Bahia.
O lançamento da cartilha ‘Cotas porque Sim’ acontece às 14 horas, no auditório do Ministério Público da Bahia. A cartilha, de caráter informativo e educativo, tem como objetivo mostrar a importância da política de cotas para garantir o ingresso dos estudantes negros nas universidades.
ACESSE A PROGRAMAÇÃO COMPLETA: 
http://www.portalvilas.com.br/eventos/7051-Programa%C3%A7%C3%A3o-da-Semana-da-Consci%C3%AAncia-Negra.html
http://www.portalvilas.com.br/eventos/7051-Programa%C3%A7%C3%A3o-da-Semana-da-Consci%C3%AAncia-Negra.html


Colóquio: Racismo versus Cidadania

Estão abertas as inscrições para o 18º Colóquio sobre o tema: “Racismo versus Cidadania”, promovido pelo Centro de Educação em Direitos Humanos e Assuntos Penais J.J. Calmon de Passos (CEDHAP), órgão da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), em parceria com Conselho Penitenciário do Estado da Bahia. O evento será realizado dia 26 de novembro, das 14h às 17h, no Auditório da SJCDH, Centro Administrativo da Bahia. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do telefone 3117-6911 ou pelo e-mail cedhap@sjcdh.ba.gov.br.
Será debatida a efetividade dos direitos dos negros, como se processa o exercício da cidadania e o combate ao racismo e à discriminação étnica. O colóquio é aberto aos interessados no tema, sendo esperadas inscrições de estudantes universitários, professores, juristas e servidores públicos que atuam no sistema prisional. Serão fornecidos certificados de três horas para os participantes.
Foram convidados como expositores Jurandir Antônio Sá Barreto Junior, mestre em Ensino, História e Filosofia pela Universidade Federal da Bahia, e Cléber Lázaro Julião Costa, mestre em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Atuarão como moderadores Alessandra Prado, Presidente do Conselho Penitenciário do Estado da Bahia, e Ricardo Maurício Freire Soares, Coordenador do Centro de Educação em Direitos Humanos e Assuntos Penais JJ Calmon de Passos.

ACESSE: http://www.sjcdh.ba.gov.br/

NEGRO É LINDO: Jorge Ben Jor

O Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil decreta:

(CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

IGHB CONVIDA - PALESTRA A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA

(CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

Candomblé: tradição e resistência

Biblioteca Fazendo História debate o tema no dia 16 de novembro
 
Os brasileiros estão acostumados a termos como axé, afoxé e babalorixá. Mas nem todo mundo sabe que a origem deles está no candomblé nagô, divulgado por Pierre Verger, Roger Bastide e Nina Rodrigues. A religiosidade africana assumiu diversas formas no país e, apesar de ainda estar envolta por certo mistério, vem ganhando força com novos filmes, livros e pesquisas. O Biblioteca Fazendo História do mês de novembro debaterá o tema “Candomblé: tradição e resistência” com Yvonne Maggie, professora da UFRJ, e Juliana Barreto Farias, jornalista e historiadora. A série de debates, com entrada franca, acontece sempre no auditório Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional. 
Acompanhe também a transmissão simultânea do evento pelo site do Instituto Embratel: www.institutoembratel.org.br e a cobertura pelo twitter: www.twitter.com/rhbn. Participe e ajude a realizar esse encontro histórico! 
 
Dia 16 de novembro, às 16h, Auditório Machado de Assis, Biblioteca Nacional. R. México, s/nº. Entrada franca. Conferimos certificados de participação.

ESCRAVIDÃO, FAMÍLIA E LIBERDADE EM CUBA NO SÉCULO XIX

AISNARA PERERA DÍAZ
MARÍA DE LOS ÁNGELES MERIÑO FUENTES
Pesquisadoras da Casa de Cultura de Bejucal / Havana / Cuba e membros da União Nacional de Historiadores de Cuba; autoras dos livros Para librarse de lazos, antes buena família que buenos brazos; Esclavitud, Familia y Parroquia en Cuba; Matrimonio y familia en el ingenio, una utopía posible (1825-1886) e La cesión de patronato - una estrategia familiar en la emancipación de los esclavos en Cuba, entre outros.

DATA: 17 de novembro 2010
HORÁRIO: 19:00 h.
LOCAL: Auditório do DEDC/UNEB - CAMPUS II – Alagoinhas
Promoção: Colegiado de História do DEDC/UNEB-CAMPUS II e Linha de Pesquisa Escravidão e Invenção da Liberdade do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA.
Informações: (075) 3422-1139 Ramal 227 ou acastellucci@uneb.br

Lançamento dos livros da série Traços do Encantamento

A Solisluna Design, a Fundação Pedro Calmon e o Museu Carlos Costa Pinto  convidam para o lançamento dos livros da série Traços do Encantamento Mesa Redonda com os autores Goya Lopes, Gustavo Falcón e José de Jesus Barreto e convidados. 18 de novembro às 18 horas no Museu Carlos Costa Pinto Av. Sete de Setembro, 2490 - Corredor da Vitória.
 (CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

Capacitação de Multiplicadores - Equipe Cirandando Brasil

A Associação Sons do Bem realizadora do Programa Cirandando Brasil convida  professores, educadores sociais e cuidadores de crianças em geral para participarem da Capacitação de Multiplicadores na utilização da Cultura da Brincadeira como estratégia didática e conteúdo transversal com Nairzinha e a Equipe Cirandando Brasil. Será uma vivência das brincadeiras do folclore infantil, contar a história da brincadeira, as influências étnicas formadoras da identidade cultural brasileira, reflexão da brincadeira como conteúdo transversal no espaços de ensino e aprendizagem, nas escolas, nas creches e nas organizações sociais, entre outros.
O Projeto de Capacitação de Multiplicadores na Cultura da Brincadeira capacita educadoreshá quase dez anos (num total de dezoito mil pessoas atingidas até o momento) a utilizarem a cultura da brincadeira como estratégia didática e conteúdo transversal. A abrangência do projeto até o momento, dizem respeito a Salvador, 31 cidades do interior da Bahia, Ceará (Universidade Estadual do Ceará UECE), São Paulo (PUC , USP e Secretaria de Educação de Mogi das Cruzes) Sergipe (Educadores Sociais), Pernambuco (Instituto Adolescer, projeto socia), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), além de Portugal e países lusófonos, Alemanha e França.
O Programa Cirandando Brasil resgata, atualiza e devolve a cultura da brincadeira brasileira, promove a integração entre as crianças, fortalece a identidade cultural, oportuniza a troca de saberes inter-classes, reforça a auto-estima de forma a ampliar a ciranda mundial em defesa da inocência e da integridade da infância, contribuindo para o desenvolvimento de uma Cultura de Paz pela brincadeira.

Maiores informações nos telefones (71) 3354-6594 / 9989-4494.
Das 9 h ás 12 h e das 13:30 ás 16:30 h.

Conferência Online de Informática Educacional - COIED

(CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA)

A HISTÓRIA DO NAVIO OU A PENA DOURADA

Leitura Dramática do Texto Inédito de Heraldo Souza, diretor da Cabriola Cia de Teatro
Houve um tempo em que o dia da Abolição da Escravatura era incluído entre os feriados nacionais. Hoje é data quase sempre esquecida. A tomada de consciência das populações negras no Brasil fez com que se rejeitassem, principalmente pela maior parte dos descendentes dos antigos escravos, o 13 de maio, preferindo se festejar o dia 20 de novembro, o da morte de Zumbi dos Palmares, denominando-o “Dia da Resistência Negra” e considerando-o mais digno de comemorações.
Nos perguntamos se haverá mesmo o dever, por parte dos descendentes dos escravos, de agradecerem por essa liberdade que lhes foi dada. Ou será mais lógico considerar o “13 de maio”, apenas como uma etapa vencida no curso de um processo longo de luta pela libertação, iniciada e sustentada, durante muito tempo, pelas freqüentes e por vezes vigorosas revoltas de escravos, ocorridas tanto na época do Brasil - Colônia como na do Brasil - Império, e continua a desenvolver-se, com novos aspectos, nos dias atuais, sem se poder prever, no entanto, quando ou como será alcançada.
O duelo verbal estabelecido entre os personagens da peça em um ato, oferece subsídios para que cada espectador tire suas próprias conclusões.

SERVIÇO:
- Leitura Dramática da peça "A História do Navio ou A Pena Dourada
- Dia 21 de novembro (domingo), 16h - Biblioteca Infantil Monteiro Lobato
- Dia 26 de Novembro (sexta), 15h - Biblioteca Pública dos Barris.
- Entrada Franca
- Público-alvo: Jovens e adultos

ELENCO: Heraldo Souza, Luiz Guimarães

Realização: Cabriola Cia de Teatro
Promoção: Fundação Pedro Calmon

Conheça a história de gente que ganha dinheiro com blogs na internet

Você sabe o que é um blog? É um espaço na internet onde você pode escrever suas ideias, fazer comentários e falar sobre assuntos variados.
E sabia que tem muita gente ganhando dinheiro com isso? A videomaker Renata Pereira, por exemplo, é apaixonada por maquiagens e ganha dinheiro dando dicas para o visual. Para a gravação ela usa dois espelhos e uma câmera. Com o blog ela recebe cerca de R$ 2500 por mês. “O segredo é se divertir e ser sincera, sempre”, disse.
Outra blogueira que ganha dinheiro com internet é a Ronilda Ribeiro. Ela vende artesanato e recebe as encomendas em sua página. “Já vendi até para os Estados Unidos. Este mês, por exemplo, eu que sustentei a casa. Paguei as minhas contas, o colégio da minha filha, tudo com meu artesanato”, explicou Ronilda.
O Mais Você também mostrou a história do blogueiro Carlos Rua, que deixou para trás o emprego e resolveu se dedicar aos seus personagens de humor para ganhar dinheiro. O humor garante a ela cerca de R$ 2 mil por mês. “Trabalhar em casa tem o lado bom, mas não dá pra relaxar e ficar o dia todo vendo TV. Para ganhar dinheiro você precisa procurar anunciantes, patrocinador – que é muito mais seguro e te dá uma renda fixa. A terceira maneira de ganhar dinheiro é colocando produtos no teu site”, explicou.
Internet pode ser um bom negócio porque o número de usuários no Brasil é muito grande: São 67 milhões e 700 mil pessoas.

Para explicar as diversas formas de se ganhar dinheiro com blog, Ana Maria conversou com o jornalista e blogueiro Rafael Capanema. “Cosméticos, quadrinhos, música e tecnologia rendem bem. Ao fazer o blog você também tem acesso a relatórios e fica sabendo dos detalhes dos acessos. A partir daí você pode ganhar dinheiro com os anúncios”, disse.
Assista o vídeo da matéria.
Este texto foi escrito, originalmente, para o portal Globo.com (no canal do programa Mais Você).
FONTE:http://www.topblog.com.br/2010/blogs/equipe/

Ciclo de Cinema e Contemporaneidade

O Ciclo de Cinema e Contemporaneidade apresentará, no dia 17 de novembro, no espaço cultural da livraria LDM, o filme “Adeus, Lênin” (Good bye, Lênin!), dirigido por Wolfganger Becker.

 Sinopse: Algum tempo antes da queda do muro Christiane Kerner entra em coma. Oito meses depois ela retoma a consciência e sua família recebe recomendações médicas para ser cautelosa, pois Christiane não deve ter qualquer choque emocional, para não lhe causar danos à saúde. Então, Alex, o seu filho, recria em um quarto de seu apartamento a extinta Alemanha Oriental, com produtos, notícias e até mesmo pessoas, mostrando uma fictícia derrocada do capitalismo na Alemanha.

 Ciclo deste mês terá a participação da Prof. Dr. José Crisóstomo de Souza (UFBA) que aproveitará a ambiência temática do filme para realizar uma palestra intitulada: “O ideal real”. Neste evento, realizado pelo grupo PET-Filosofia em parceria com a Casa de Cinema e a Livraria LDM, acontece um agradável encontro que junta o entretenimento do cinema com reflexões filosóficas. O Ciclo de Cinema e Contemporaneidade, antes intitulado “Ciclo de cinema e Filosofia”, agora tenciona estabelecer um diálogo e relação não só entre a Filosofia, mas entre as diversas nuances do pensamento – filosófico ou não – e com diferentes áreas do conhecimento, através de sessões em que são exibidos filmes clássicos e contemporâneos e discutidas questões filosóficas, políticas, sociais, éticas, culturais etc., explorando a diversidade de abordagens teóricas.

O quê: Ciclo de Cinema e Contemporaneidade ano IV.
Onde: Livraria LDM – Rua Direita da Piedade, n° 22. Próxima ao Banco do Brasil e à Secretaria de Segurança Pública.
Quando: quarta-feira, 17 de novembro, às 17:00h.
Mais informações: 71 2101-8007/ eventos@livrariamulticampi.com.br
ENTRADA FRANCA

DOCUMENTAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO COM O USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS

O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PPG-AU e o Laboratório de Computação Gráfica Aplicada a Arquitetura e ao Desenho – LCAD, da Faculdade de Arquitetura da UFBA, realizarão em Salvador (BA), nos dias 09 e 10 de dezembro de 2010, um seminário nacional sobre a DOCUMENTAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO COM O USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS, com o objetivo principal de discutir os temas relacionados à documentação do patrimônio arquitetônico brasileiro com o uso de tecnologias digitais, contemplando desde o estado da arte a um enfoque mais amplo de novas metodologias e experiências realizadas, reunindo arquitetos, engenheiros, historiadores, profissionais da área da ciência da computação e da ciência da informação, e outras áreas correlatas.
O evento discutirá tecnologias digitais aplicadas à documentação do patrimônio arquitetônico segundo três eixos principais: (1)  produção e gestão de dados, que compreende os sistemas, tecnologias e metodologias para captura, processamento e gestão de dados; (2) visualização e análise de informações, envolvendo tecnologias e metodologias para indexação, armazenamento, recuperação, visualização, publicação, divulgação e disponibilização de informações; e finalmente, (3), aplicações, que contempla o uso de tecnologias digitais, informações  e dados no planejamento, projeto e operações sobre as edificações e os sítios urbanos, bem como  os aspectos da formação dos profissionais que se utilizam destes recursos.
ACESSE: http://www.lcad.ufba.br/arqdoc/

COLÓQUIO PORTOS E CIDADES: MOVIMENTOS PORTUÁRIOS, ATLÂNTICO E DIÁSPORA AFRICANA

O Grupo de Pesquisa Estudos do Atlântico e da Diáspora Africana (GPEADA), do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH) da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em colaboração com o Grupo de Pesquisa da UERJ Brasil e o Mundo Atlântico: portos, negócios e cidades e em associação com professores do Instituto de Geociências da UFBA, realizará o Colóquio Portos e Cidades: movimentos portuários, Atlântico e diáspora africana, nos dias 25 e 26 de novembro, no Auditório Jorge Amado.

O evento pretende promover o contado dos discentes da UESC e dos professores da Educação Básica – sobretudo aqueles professores-estudantes vinculados ao PARFOR dos cursos de 1ª Licenciatura em História e em Geografia – com discussões, perspectivas e experiências que contribuam para suas percepções da realidade regional, levando-os a uma reflexão crítica dos problemas, demandas e soluções encontradas na região Sul Baiana. As inscrições são gratuitas e podem ser efetivadas, no dia 24 de novembro, mediante envio da ficha de inscrição preenchida para o e-mail coloquioportosecidades@yahoo.com.br. As inscrições para os mini-cursos acontecerão no local do evento no momento do credenciamento.

Trata-se de um colóquio interdisciplinar que discutirá três aspectos importantes: a) crucial função de desenvolvimento de redes comerciais; b) a relação com as cidades onde se situam e c) a influência do movimento de mercadorias em portos brasileiros, em particular os da Região Sul Baiana, que se relacionam por rotas comerciais entre si e com o mundo Atlântico, desde o período colonial até os dias de hoje.
 
Estas questões são fundamentais para a análise, o planejamento e o desenvolvimento econômico, social, político e educacional da região cacaueira. Recentemente, a UESC aprovou a criação e implantação, em 2011, de 04 novos cursos de Engenharia, que têm como uma de suas finalidades formarem mão-de-obra qualificada para atender os novos investimentos previstos para a Região Cacaueira. Entre eles, a implantação de um Terminal Portuário no município de Ilhéus que tem gerado expectativas e partidarismos que torna necessário dar visibilidade e acesso às pesquisas e discussões sobre os aspectos ambientais, econômicos e sociais vinculados aos espaços portuários, de modo crítico e aprofundado.

O evento conta com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES), da Fundação Pedro Calmon, do Projeto Educação Básica e Universidade: diversidade, práticas e saberes – PRODOCÊNCIA/UESC 2008 e do Plano Nacional de Formação de Professores na UESC (PARFOR/UESC).
 
Mais informações www.uesc.br

IV Seminário de História Regional - UPF

O IV Seminário de História Regional tem por objetivo reunir profissionais da área de história e áreas afins para discutir a produção acadêmica contemporânea e apresentar suas pesquisas. Objetiva também criar um espaço para a formação e ampliação de redes de pesquisadores, bem como oportunizar o contato entre profissionais, mestrandos e doutorandos, bolsistas de iniciação científica e alunos de graduação de diversas áreas do conhecimento.

PROGRAMAÇÃO
18 de novembro
09-12h - Credenciamento na sala do PPGH/IFCH - Prédio B4
14-17h - Sessões de Comunicação (01 a 04)
17-18h - Seminário de Pesquisa dos Núcleos do PPGH - Auditório do IFCH
19:30h - Conferência de Abertura: “A História Regional: balanço Historiográfico” ministrada pela Prof. Dra. Mercedes García Rodríguez (Universidad de La Habana, Cuba) - Auditório do IFCH - B4

19 de novembro
09-12h - Sessões de Comunicação (05 a 08)
14-18h - Sessões de Comunicação (09 a 12)
19:30 h - Painel de Encerramento: “A pesquisa em História Regional: a experiência com as fontes” - Prof. Dra. Ironita Policarpo Machado (UPF); Prof. Me. Alessandro Batistella ( UPF) e Dr. Eduardo Munhoz Svartman (UPF) - Auditório do IFCH - B4