PALESTRA: PESQUISA E PESQUISADORES NO CENTRO DE MEMÓRIA DA BAHIA


Fortalecendo as celebrações das três décadas de existência, durante todas se segundas do mês de setembro, o Centro de Memória da Bahia realiza o tradicional encontro do Conversando com a sua História. Nesta segunda-feira (26), às 17h, o Conversando Especial 30 anos CMB abordará “Pesquisa e Pesquisadores no Centro de Memória da Bahia”. A atividade terá participação do professor de História da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Antônio Luigi Negro; e do professor de História da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Paulo Santos Silva. A atividade oferece certificado de atividades complementares para os participantes do bate-papo, com a carga horária de duas horas por palestra.

Há 30 anos o Centro de Memória da Bahia – vinculado à Fundação Pedro Calmon/ SecultBA, é responsável pelo recolhimento, salvaguarda e preservação de acervos documentais de valor histórico, apoia e desenvolve pesquisas sobre a história da Bahia e incentiva a montagem de espaços de memória do estado. Através do Conversando com a sua História (CSH), atividade que acontece periodicamente na Biblioteca Pública do Estado da Bahia, conhecida como Biblioteca dos Barris, o CMB promove a difusão do
conhecimento histórico sobre o estado e a sua memória.

Memórias contemporâneas – Em outubro e novembro, no Conversando com a sua História, serão debatidas as memórias contemporâneas sobre a cultura e a política na Bahia. Personagens que vivenciaram os processos e pesquisadores abordarão a influência de instituições educacionais e culturais na formação do campo cultural e artístico baiano da segunda metade do século XX, a relação de organizações e movimentos sociais com o campo da cultura, e como as linguagens artísticas refletiram e foram protagonistas das disputas identitárias.


VI EIHC - ENCONTRO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA COLONIAL

DIA 14 DE SETEMBRO ÀS 18:00h 
NO ESPAÇO CULTURAL - UCSAL - CAMPUS DA FEDERAÇÃO
ACESSE A PROGRAMAÇÃO COMPLETA: 

LANÇAMENTO: COLEÇÃO LIVROS DO TOMBO DO MOSTEIRO DE SÃO BENTO DA BAHIA

Os Livros do Tombo formam uma coleção de 6 volumes, todos em grande formato e de beleza inigualável. Juntos, alcançam um período de cerca de 400 anos, relativos aos séc. XVI, XVII, XVIII e XIX. Nesses documentos está registrada a história da Cidade de Salvador desde o início da história do Brasil, pois os referidos livros contém alguns dos primeiros registros da formação da sociedade brasileira. Ademais, os Livros do Tombo trazem registros do patrimônio territorial do Mosteiro de São Bento da Bahia nas principais capitanias dos primeiros séculos brasileiros: Bahia e Pernambuco. Contém, ainda, documentos notariais referentes aos testamentos de grandes personalidades para a história da formação do Brasil, como Catarina Paraguaçu, Gabriel Soares, Duarte Coelho da Costa, Garcia d’Ávila e toda sua linhagem. São documentos arquivísticos, de caráter diplomático, manuscritos autênticos e únicos. Todos os volumes pouco variam em dimensão, e têm, basicamente, as mesmas características: encadernação sem ornamentos ostensivos, com capa em couro de porco marrom, com o brasão da ordem e a data de fundação do Mosteiro pintados à mão. Os fólios são numerados e rubricados no anverso à direita superior e todos os livros possuem Termo de Abertura e de Encerramento e abarcam um período de 1552 a 1913. A escrita é em tinta ferro-gálica e está em delicado estado de conservação, em especial no primeiro volume: o papel está bastante escurecido pela oxidação da tinta em diversas partes, o que prejudica sensivelmente a leitura em alguns trechos.

A Coleção dos Livros do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia poderá

também ser acessada gratuitamente através do site: www.saobento.org/livrosdotombo 

Biblioteca Virtual lança 4ª edição da Revista Bahia com História


Repleta de reflexões sobre a Bahia, sua arte, história e identidade, a quarta edição da Revista Virtual Bahia com História será lançada terça-feira (16). A publicação - de autoria da Biblioteca Virtual Consuelo Pondé – vinculada à Fundação Pedro Calmon/ SecultBA - traz artigos, entrevistas e homenagens, e poderá ser acessada diretamente no site da Biblioteca http://www.bvconsueloponde.ba.gov.br/
São seis artigos produzidos sobre a história da Bahia, entrevista com o doutor em Antropologia da Religião pela School Of Oriental & African Studies University Of London, e professor de Antropologia na Universidade Federal da Bahia (UFBA), Nicolau Parés; além de uma homenagem do mestre em História, Daniel Rebouças ao historiador e notável contador de histórias e memórias da Bahia, Cid Teixeira. Na capa da revista está a arte de Miguel Cordeiro, artista plástico reconhecido como um dos pioneiros do grafite e da arte urbana.

Articulistas - O doutorando em História na Universidade Federal da Bahia (UFBA), Marcelo Siquara, escreveu o artigo “A Independência na Bahia (1823): Algumas reflexões importantes”, no qual retrata as condições de vida dos baianos no momento posterior ao 7 de setembro de 1822, e anterior ao 2 de julho de 1823. Já a historiadora e pós-graduada em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminista, Claudia Andrade Vieira, escreveu o artigo “Educação e casamento: uma análise feminista na década de 1930”, no qual analisa a primeira obra da escritora Edith Mendes da Gama e Abreu – Problemas do Coração – a qual expõe algumas ideias sobre normas de comportamento, casamento e educação feminina.

O artigo que fala da “Baianidade e arquitetura moderna: da integração das artes à busca por uma arquitetura regionalista”, escrito pelo doutor em Arquitetura e Urbanismo pela UFBA, Nivaldo Vieira, também está na seção de artigos da Bahia com História. No texto, Nivaldo, que é professor do Núcleo de Teoria, História, Projeto e Planejamento; do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e do Mestrado Profissional em Conservação e Restauração de Monumentos e Núcleos Históricos, ambos da UFBA, demonstra a integração entre as artes de caráter regionalista e a arquitetura da Bahia, em diálogos sobre tradição, identidade e modernidade.

Artes - A partir do romance de Jorge Amado – Jubiabá - a doutora em Cultura e Sociedade pela UFBA, Juciara Maria Barbosa, escreveu o artigo “A busca pela Lanterna dos Afogados na cidade da Bahia”, contando como intelectuais e artistas modernos, como o pintor Carybé e o fotógrafo Pierre Verger, se empenharam na tarefa de capturar os traços, trejeitos e nuances da Bahia, herdeira do período colonial, exuberante, tropical, mística e miscigenada, buscando retratar o cenário e seus mais peculiares tipos.
Já a jornalista, especializada em Patrimônio Material e Imaterial, Mary Weinstein, no artigo “Centro da cidade: questões de demolições e construções”, falou sobre a perda recorrente de casas do século passado, que deixam de compor a memória urbana da cidade de Vitória da Conquista, ao mesmo tempo em que ocorre a construção de um novo Shopping Center, que ocupará 67 mil metros quadrados em uma das avenidas que mais se valorizam na cidade.

A história dos deslocamentos dos chineses pelo mundo até sua instalação em Salvador nos dias de hoje foi descrita pela doutora em antropologia pela UFBA, Ana Claudia Minnaert no artigo “A migração chinesa para Salvador: os novos rumos da diáspora”. No texto, a autora analisa a vida cotidiana e a participação desse grupo no centro da cidade, com suas lojas e restaurantes misturando-se ao comércio local.

Seções - “Um acervo para se dançar: a arte de Lia Robatto”, que estará na seção Documento da revista, é o resultado da primeira etapa do projeto de criação do Fundo Lia Robatto, primeiro acervo digital em Dança produzido na Bahia. No texto, a pesquisadora, educadora e artista de dança, Suki Guimarães, conta o desenvolvimento do projeto, coordenado por ela, viabilizado pelo Edital de Restauração e Digitalização de Acervos Arquivísticos Privados, de 2014, da FPC/SecultBA.


Na seção “Singular”, da Revista Bahia com História, a historiadora Maria Fernanda Marques escreveu “Casarões do Vale: história, memória e patrimônio”, no qual percorre municípios do Vale do Jiquiriçá, cujos sobrados, casas de fazenda e estações ferroviárias revelam a história dessas comunidades através do seu patrimônio histórico e arquitetônico edificado entre a segunda metade do século 19 e a primeira metade do século 20.

The Rise and Demise of Slavery and the Slave Trade in the Atlantic World


Essays draw on quantitative and qualitative evidence to cast new light on slavery and the transatlantic slave as well as on the origins and development of the African diaspora.

Drawing on new quantitative and qualitative evidence, this study reexamines the rise, transformation, and slow demise of slavery and the slave trade in the Atlantic world. The twelve essays here reveal the legacies and consequences of abolition and chronicle the first formative global human rights movement. They also cast new light on the origins and development of the African diaspora created by the transatlantic slave trade. Engagingly written and attuned to twenty-first century as well as historical problems and debates, this book will appeal to specialists interested in cultural, economic, and political analysis of the slave trade as well as to nonspecialists seeking to understand anew how transatlantic slavery forever changed Europe, the Americas, and Africa.


PhilipMisevich is assistant professor of history at St. John's University, and Kristin Mann is professor of history at Emory University.


Luciana da Cruz Brito: O crime da miscigenação: a mistura de raças no Brasil escravista e a ameaça à pureza racial nos Estados Unidos pós-abolição


Luciana da Cruz Brito

New York City University (Graduate Center, CUNY). New York, NY, USA. lucianacruzbrito@gmail.com 

RESUMO
Este artigo discute como o exemplo brasileiro foi debatido e apropriado por políticos, cientistas e demais membros da elite branca estadunidense, que no pós-abolição estava elaborando um projeto de nação que mantinha antigas ideologias escravistas de supremacia branca e segregação racial que perduraram no país ao longo do século XX. Na América Latina era possível avaliar os efeitos negativos da mistura racial, e o Brasil tornou-se um exemplo de atraso e degeneração, reforçando a necessidade de políticas segregacionistas urgentes a serem implementadas nos Estados Unidos. A questão da mistura racial estava atrelada à produção de uma noção de identidade nacional que se sustentava nas ideias de pureza de sangue e em oposição às sociedades latino-americanas.
Palavras-Chave: mistura racial; identidade nacional; Estados Unidos da América; Brasil

No ano de 1864, ainda durante a Guerra Civil, o jornal sulista The Charleston Mercury, um periódico da cidade de Charleston, grande centro escravista dos Estados Unidos, publicou uma matéria que abordava o maior dos pesadelos da sociedade norte-americana no pós-abolição: a mistura racial, recém-batizada com o nome de miscigenação. A matéria intitulada "Miscigenação no Norte" havia sido originalmente publicada no jornal ianque The New York Times, de ampla circulação na região norte do país, com o título de "A que ponto nós estamos chegando". O autor do texto chamava a atenção para um fenômeno descrito como "anormal e detestável" que estava se tornando comum nas ruas de Nova York, agora tomada por rostos de tez cada vez mais "amarronzada".

A matéria alertava os cidadãos do país para os riscos de uma prática supostamente comum entre os abolicionistas radicais, que era o hábito de apoiarem e influenciarem o casamento inter-racial, ameaçando assim um país "grandioso e próspero" como os Estados Unidos. Ainda de acordo com as previsões pessimistas do autor, por causa dessa prática, os brancos do país deixariam de existir porque em breve, todas as famílias brancas teriam um genro negro, o que faria todos os norte-americanos aos poucos se tornarem mulatos, afetados pela "raça infeliz". "Adeus, um longo adeus à nossa brancura", lamentava o autor, acreditando que algo deveria ser feito para "preservar a pureza" de sangue.2

O tema da mistura racial sempre foi crucial nos debates sobre nação, escravidão e identidade nacional nos Estados Unidos. No período em que o artigo citado foi escrito, durante a Guerra Civil, a mistura racial era tida na região sul como uma das consequências mais nefastas da abolição. Afinal, desde a Revolução Americana, em 1776, os Estados Unidos foram pensados por suas elites como um país formado por homens brancos, descendentes de europeus, e que guardariam para seu grupo os privilégios da cidadania e do pertencimento nacional. Negros, assim como indígenas, não estariam incluídos na ideia de nação branca inventada pelas elites do país (Fields, 1982). Portanto, a mistura racial, ao longo dos anos, constituía-se como uma ameaça a essa ideia, desestabilizando noções raciais fixas, mas que por vezes permitiam lugares sociais intermediários.

Em geral, a sociedade branca norte-americana das regiões norte e sul condenava a mistura racial. Na década de 1840 a Escola Americana de Etnologia, movimento de cientistas do norte e do sul do país que se dedicavam a explicar e justificar as diferenças raciais, ofereceu diversos argumentos que favoreceriam não só a defesa do cativeiro, mas também a criação de políticas sustentadas na noção de white supremacy. O líder desse movimento científico, o médico Samuel Morton, utilizou o método de medição de crânios para criar uma hierarquia dos povos no mundo, mas sobretudo nos Estados Unidos. Associando peso da massa craniana e capacidades intelectuais, Morton concluiu que os negros ocupavam a base da escala de evolução humana, enquanto os caucasianos representavam o topo, a vanguarda da civilização (Stanton, 1960).

Na região sul, onde ser negro necessariamente significava ser escravo, a cor da pele era um importante marcador do status de homens e mulheres da região. Portanto, a mistura racial criava um dilema no sul escravista: qual seria o lugar de homens e mulheres que, de tão claros, passariam por brancos? Até o início do século XIX, senhores de escravos acreditavam que a "infusão de sangue branco" produziria escravos física e intelectualmente melhores do que aqueles que eram "puros descendentes de africanos". Porém, com o passar dos anos e com o crescimento do número de indivíduos considerados mulatos, além do aumento do número de pessoas que aparentemente eram brancas mas viviam em cativeiro, a mistura racial passou a constituir uma séria ameaça ao sistema escravista na região sul (Tenzer, 1997, p.7-9).

A solução para essa questão partiu de outro membro da Escola Americana de Etnologia, o médico sulista Josiah Nott. Desde a década de 1840 ele já vinha defendendo a importância de proibir o intercurso de negros e brancos nos Estados Unidos. Nott afirmava que a mistura racial, na época chamada de amalgamação, produzia um indivíduo inferior, degenerado e perigoso. Isso porque o chamado mulato não aceitaria sua condição de escravo, ameaçando assim a tranquilidade da sociedade branca. Nott era poligenista, assim como todos os membros da Escola Americana, e defendia que negros e brancos eram de espécies distintas. Por esse motivo, a mistura racial causaria também a degeneração dos brancos, que segundo ele faziam parte de uma raça superior (Lemire, 2002, p.4; Brito, 2014).3

Josiah Nott compartilhava essas ideias com Louis Agassiz, cientista suíço estabelecido nos Estados Unidos desde 1846. Embora fosse contrário à escravidão, Agassiz concordava com Nott a respeito dos efeitos da mistura racial. Afirmava que essa prática produzia um indivíduo degenerado e propunha que os afro-americanos libertos fossem removidos para longe dos estados do norte dos Estados Unidos. Mais tarde, ele passou a propor que a população negra livre fosse enviada para o Brasil como forma de evitar que a mistura racial fosse praticada de forma desenfreada em seu país. Agassiz empreendeu uma missão científica no Brasil, que já vinha sendo utilizado como observatório de raças puras e mestiças. O momento escolhido para realizar tal empreitada não foi acidental: o ano de 1863, durante a Guerra Civil, quando a questão central era a disputa pela continuação ou pelo fim da escravidão no sul dos Estados Unidos (Machado; Huber, 2010, p.30-33).

Portanto, quando o jornal sulista Charleston Mercury republicou uma matéria do jornal da região adversária, o The New York Times, refletiu esta ideia comum que conciliava elites sulistas e nortistas: a rejeição à mistura racial. Antes da guerra, os escravistas do sul acusavam os abolicionistas do norte de, entre outras coisas, defender o fim da escravidão para que casamentos entre negros e brancos fossem permitidos. Na matéria do The New York Times, podemos encontrar a "denúncia" de que os abolicionistas brancos estavam dispostos a se casar com negros para provar sua crença na igualdade racial. Nessa perspectiva, a combinação mais temida nas uniões entre negros e brancos era aquela na qual a mulher branca se casava com um homem negro (Lemire, 2002, p.84-97).

Notícias sobre filhas de abolicionistas brancos que se casavam com negros no norte eram muito comuns na imprensa sulista. Um exemplo foi o casamento de Sarah Judson, cuja história foi publicada no jornal Memphis Daily Appeal em 1859 e que, segundo o autor, "era de revirar o estômago de qualquer branco". A noiva, filha de um "abolicionista radical", foi induzida pelo pai a se casar com um homem negro "contrariando os desígnios da natureza".4

De acordo com a historiadora Martha Hodes, foi durante e após a Guerra Civil que as relações sexo-afetivas entre negros e brancos passaram a ser menos toleradas nos Estados Unidos, sobretudo nas relações em que a mulher pertencia à "raça branca". Com o aproximar-se da Guerra, quando a escravidão estava mais ameaçada, os filhos de mães brancas e pais negros desestabilizavam ainda mais o sistema escravista, uma vez que que a condição da mãe definia o status da prole. Esse não era o caso das relações entre homens brancos e mulheres negras, muitas vezes resultado da violência sexual e/ou coerção, que retroalimentavam o sistema escravista, uma vez que a mulher negra produzia indivíduos escravizados (Hodes, 1997).

A década de 1860 foi um período de ansiedade em torno do tema da mistura racial, sobretudo após o decreto da abolição da escravidão nos estados do sul e a reeleição de Lincoln, o que ocorreu entre 1863 e 1864. Esses fatos influenciaram os debates sobre as políticas futuras a respeito do status dos libertos no norte e no sul dos Estados Unidos. Esses debates também buscavam justificar argumentos mobilizando as teses científicas produzidas pela Escola Americana de Etnologia na década de 1850. Várias questões foram levantadas no pós-abolição: os libertos seriam inseridos na sociedade com os mesmos direitos que os brancos? A abolição seria seguida de um projeto de igualdade racial? A abolição significaria o fim do racismo? Como garantir que os libertos continuassem trabalhando, inclusive para seus ex-senhores? Como garantir a supremacia dos brancos? Ao mesmo tempo em que tais questões foram colocadas por escravistas e até mesmo por abolicionistas moderados, a comunidade negra do país mostrava-se esperançosa com o futuro. Os libertos do norte apostavam na igualdade de direitos, sobretudo no direito ao voto e no fim dos espaços segregados (Holt, 2010).

Durante a campanha eleitoral de 1863, os democratas (defensores da escravidão) tentaram associar a prática da miscigenação à imagem do presidente Lincoln, que era candidato à reeleição pelo partido republicano. Quando Lincoln decretou o fim da escravidão nos estados do sul em 1863, a lei foi ignorada pelos senhores de escravos daquela região. Isso bastou para que o presidente fosse acusado de liderar uma "cruzada" a favor dos negros e de ser um apoiador do casamento entre negros e brancos. Lincoln havia afirmado, anos antes, que não acreditava na igualdade racial, e via a ideia de casamento inter-racial como naturalmente repugnante (Lemire, 2002; Kaplan, 1949).

Foi assim que naquele ano os democratas lançaram mão de uma estratégia que tinha por objetivo vincular de vez a imagem do presidente Lincoln à prática de amalgamação. No calor da campanha eleitoral, dois jornalistas democratas, David Goodman Croly e George Wakeman, lançaram um panfleto chamado "Miscigenação: a teoria da mistura de raças aplicada ao homem branco americano e o negro". O folheto era falso, e a intenção dos autores, então anônimos, era deixar a impressão de ter sido escrito por republicanos abolicionistas radicais, apoiadores de Lincoln e dos casamentos inter-raciais. O texto teve grande repercussão na região norte, onde estava a maioria dos eleitores do presidente, mexendo com a opinião pública aterrorizada com as ideias defendidas pelo panfleto, que promovia a mistura racial como algo praticado entre as nações mais avançadas do mundo. O texto também apontava o mestiço como o povo do futuro, uma visão pouco comum nos Estados Unidos, afirmando que as raças mestiças eram superiores e assim contrariando a justificativa central da superioridade branca: a pureza racial (Lemire, 2002, p.116; Fredrickson, 1971, p.171-174).
O panfleto criou o termo miscigenação, que dali por diante seria empregado para designar a mistura entre pessoas de raças diferentes. Além disso, a publicação também atraiu a atenção da opinião pública porque abordava diretamente o tema dos casamentos entre pessoas negras e brancas, assunto que causava reações no norte dos Estados Unidos sempre que a abolição era debatida. Nos anos 1860 a mistura racial já era completamente condenada na região sul, porque naquele momento tratava do possível envolvimento de negros libertos e brancos pobres, o que contrariava regras raciais impostas durante a escravidão. Na região norte, de forma análoga, a miscigenação racial também era condenada, e o panfleto também gerou reações negativas, até mesmo alguns abolicionistas acreditaram que o texto era um manifesto pró-miscigenação. Mesmo falso, o panfleto "Miscigenação..." ganhava veracidade porque utilizava uma linguagem científica. Além disso, para exemplificar os supostos benefícios da mistura racial os autores fizeram amplo uso de representações da América Latina. Esta era uma forma de fazer os leitores estadunidenses visualizarem também o seu país como uma sociedade "mestiça".
Percebemos o uso da América Latina no capítulo "Superioridade das raças mistas". Os autores afirmavam que as raças mestiças eram mental, física e moralmente superiores àquelas raças puras ou que não se haviam misturado, e traziam o exemplo dos sambos da América do Sul, descendentes de índios e negros. Mais uma vez, o Brasil não poderia deixar de ser citado como exemplo de país onde o povo era miscigenado, colaborando para a consolidação da ideia da mestiçagem neste país.
Os cafuzos no Brasil, uma mistura de indígenas e negros, são mencionados pelos viajantes como um tipo esguio e musculoso, e com um cabelo excessivamente longo que é meio encaracolado especialmente nas pontas e cresce perpendicularmente da testa até a altura de um pé ou um pé e meio. Isso forma uma cabeleira muito bonita, que é um resultado da mistura do cabelo carapinho do negro com o cabelo pesado e longo do índio.5
Ainda que sob pretensões falsas, o panfleto divulgava a imagem do brasileiro como um tipo perfeito, o belo resultado da mistura racial vigente naquela sociedade. Essa imagem positiva do dito mulato nutria as fantasias, ou melhor, os temores da sociedade estadunidense que via o Brasil, assim como outros países latino-americanos, como um antiexemplo do seu projeto de nação. Essa representação do tipo brasileiro também cumpria outro papel no movimento abolicionista negro. Os abolicionistas afro-americanos viam no povo brasileiro miscigenado uma referência na sua luta por integração e igualdade racial. Para eles, mistura racial significava ausência de preconceito, o que fazia do Império um exemplo importante quando precisavam convencer seus compatriotas tanto da possibilidade de convívio entre negros e brancos de maneira igualitária quanto das potencialidades de negros e mestiços (Brito, 2014).
Nortistas e sulistas, a despeito da rivalidade provocada pela Guerra Civil, concordavam em que os libertos não poderiam viver em condição de igualdade em relação à população branca. A ideia de mistura racial causava verdadeira repugnância entre os nortistas e era tida como algo contrário às leis naturais, o que fez o tema do casamento inter-racial tomar uma proporção importante na eleição de 1864. Ainda naquele ano, uma série de caricaturas foram feitas para ilustrar a miscigenação como resultado da eleição do presidente. Charges foram amplamente divulgadas na imprensa antiabolicionista após a vitória eleitoral de Abraham Lincoln, que seria responsabilizado pelos seus opositores por promover a mistura de raças nos Estados Unidos após ter abolido a escravidão (Lemire, 2002, p.115-116).

Uma dessas caricaturas teve como tema um baile, o Baile da Miscigenação, que acontecia na sede da campanha eleitoral de Lincoln (Figura 1). A festa representava uma completa inversão da ordem: brancos e negros, agora libertos, celebravam juntos sem obedecer às regras de decoro racial. As mulheres negras, com características animalizadas e formas voluptuosas, seduziam homens brancos que eram atraídos pelos seus instintos sexuais. Aliás, a representação das mulheres negras era a própria descrição do que a ciência dizia sobre elas: corporeidade excessiva e sexualidade desenfreada. A charge buscava representar a quebra de controle dos corpos femininos negros e os excessos causados pela abolição.
ACESSE NA ÍNTEGRA: 

Planting Axé in the City: Urban Terreiros and the Growth of Candomblé in Late Nineteenth-Century Salvador, Bahia, Brazil


Planting Axé in the City: Urban Terreiros
and the Growth of Candomblé in Late
Nineteenth-Century Salvador, Bahia,
Brazil

Samuel Lira Gordenstein
Núcleo de Arqueologia, Superintendência do Instituto do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional na Bahia, Brazil

Documentation from the second half of the nineteenth century suggests that Candomblé, the religion formed by African slaves and their descendants in Brazil, flourished in the crowded urban blocks of Bahia’s capital city. Nonetheless, in contrast to some of the surviving, large congregations established in the sparsely populated outskirts of Salvador, very little is known about the spaces of worship located in the ground-level houses and basements where
much of the city’s Afro-Brazilian population lived. This article suggests that their existence hinged on an ability to neutralize the police repression and procure natural resources for ritual use. But even more so, their practices demanded access to the ground to “plant” the prerequisite materials underground before inaugurating the space for religious observations. Evidence from archaeological research in a late nineteenth-century house basement is presented to discuss the role played by buried “axés” in the religion. Ethnographic analogies with past and contemporary Candomblé practices are used to demonstrate continuities in the choice of locations and some of the characteristics of the objects whose roles were to protect the space and consecrate the soil for ritual practices.


Keywords Salvador, Candomblé, nineteenth century, urban archaeology.

ENTREVISTA COM LUCIANA DA CRUZ BRITO

Escrito por Luciana da Cruz Brito, Temores da África: segurança, legislação e populaçãoafricana na Bahia oitocentista, é uma obra que traça um paralelo entre dois eventos que projetaram sombra duradoura sobre os temas da escravidão e do racismo no século XIX: a lei de abolição do tráfico negreiro de 1831 e a repressão aos africanos libertos, que se dava através da aplicação de leis que tinham por objetivo controlar e punir a população africana da Província. Nesta edição do Espaço do Autor, a escritora fala sobre sua trajetória acadêmica, sempre em torno de um intensa pesquisa sobre a história da escravidão nas Américas e da diáspora africana.

Graduada em história pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Luciana realizou mestrado e doutorado na mesma área na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e pela Universidade de São Paulo (USP), respectivamente. Além disso, é pós-doutoranda no departamento de história na City University of New York (CUNY) como bolsista da Andrew W. Mellon Foundation. A autora estuda, particularmente, a área de história da escravidão e abolição nas Américas numa perspectiva transnacional e compara, com ênfase no Brasil e Estados Unidos

Por João Bertonie e Mariana Trindade

Conte-nos um pouco sobre sua trajetória profissional e acadêmica. Como surgiu o seu interesse pela história e pelas narrativas da diáspora?

O meu interesse pela história dos povos negros na diáspora surgiu ainda durante a graduação, na UFBA. Isso aconteceu inicialmente quando cursei uma disciplina chamada Atividade Curricular em Comunidade, ministrada pelo professora Ubiratan Castro de Araújo. Foi também em outra disciplina ministrada pelo professor “Bira”, história da Bahia, que ouvi pela primeira vez a história da Revolta do Haiti, ocorrida em 1791. O caráter extraordinário e importância do levante de Santo Domingo despertou meu interesse pelas experiências de resistência das populações escravizadas nas Américas. No semestre seguinte, ainda na graduação, cursei outra disciplina que abordava o tema do cativeiro nas Américas desta vez com o professor João José Reis. Durante as aulas eram enfatizadas as diversas formas de resistência escrava no Brasil, mas também nos Estados Unidos e Caribe. Após ter contato com a história do Haiti, do Levante dos Malês, da Revolução de Demerara e de atos de resistência individual, dos quilombos, depois de todas estas informações fiquei fascinada pelo tema. Foi daí que comecei a me dedicar ao assunto, não só no Brasil, mas nas Américas. A ênfase em Estados Unidos veio depois, durante o doutorado.

Como foi a experiência de vivenciar o estudo em diferentes instituições, como a USP, UNICAMP, UFBA e CUNY e em diferentes especializações?

Sem dúvida foram experiências importantes. A UFBa foi a porta para o mundo, literalmente. Estudar no sudeste, na Unicamp durante o mestrado e na USP durante o doutorado, foi importante por diversos aspectos. Naquela época a UFBa não tinha a estrutura que tem hoje, então foi evidente para mim a diferença de recursos investidos nas universidades do sudeste, a despeito das pesquisas de excelência que também desenvolvemos aqui no nordeste. Ao mesmo tempo, em Campinas e São Paulo, tive acesso a pesquisas sobre escravidão e abolição no país inteiro e isso colaborou muito com minha pesquisa sobre Bahia e depois sobre Estados Unidos. Ter um diálogo próximo com historiadoras e historiadores que são referências na área de História Social também foi muito importante.


Eu fui aos Estados Unidos pela primeira vez como estudante de graduação na Howard University. Entre 2011 e 2012 voltei àquele país durante o doutorado sanduíche na New York University, e mais tarde como pesquisadora visitante em Harvard (2013) e recentemente como pós-doutoranda em CUNY e professora visitante no Trinity College. Além da grande estrutura destas universidades e do contato com pessoas que desenvolvem pesquisas sobre escravidão e abolição no mundo inteiro, foi importante ter acesso a diferentes debates e abordagens. Porém, eu gostaria de afirmar que meu maior aprendizado fora do país, especialmente no ambiente acadêmico, foi reafirmar aquilo que eu já sabia, que é a importância da universidade brasileira, pública e de qualidade. Num país como os Estados Unidos, onde praticamente todas as universidades são privadas, percebi como a lógica de mercado tanto interfere nas pesquisas quando no corpo docente e discente. A juventude estadunidense, ao entrar na universidade, adquire uma dívida para o resto da vida. É inconcebível que um país se torne uma liderança mundial às custas do endividamento da sua juventude, sobretudo os mais pobres. Isso gera/ conserva a exclusão nos espaços de educação, sustentando a ideia de universidade como espaço privilegiado das elites.  A educação de qualidade, a universidade pública, é de fundamental importância para o desenvolvimento da ciência e também para a construção de um sociedade democrática.

GAMES E HISTÓRIA: O USO DE JOGOS DIGITAIS COMO FONTES HISTÓRICAS


Coordenador(es): DIOGO TRINDADE ALVES DE CARVALHO (Doutorando(a) - UFBA)

Ementa / Justificativa: Ementa: 

Na contemporaneidade o uso de jogos de eletrônicos se tornou comum no cotidiano de milhões de pessoas. Atualmente, os games possuem a capacidade de recriação e mixagem de eventos históricos. A utilização de jogos eletrônicos não está somente restrita ao entretenimento, mas também está relacionado a estratégias de disseminação de discursos sobre eventos históricos de suma importância. Neste sentido, pretendemos abordar a viabilidade da utilização dos games como fontes históricas, contextualizando-os a partir de intersecções com as discussões historiográficas, ainda em curso, sobre o uso de fontes nascidas em meios digitais e que constituem um novo campo de abordagem documental imprescindível para a historiografia contemporânea. Iremos expor, no decorrer do minicurso, as discussões teóricas sobre as culturas digitais, o estágio das pesquisas sobre história e jogos eletrônicos no Brasil e no mundo. Também apresentaremos uma metodologia especifica de análise para games com foco na pesquisa histórica formulada a partir das reflexões de Espen Aarseth sobre este tema.
Justificativa: A distância de determinado objeto dificulta a sua adoção para análise em determinados campos do saber. A dificuldade da aceitação de novas fontes impede que o escopo interpretativo sobre determinados fenômenos, como a gamificação, seja debatido por algumas áreas como a historiografia. Existe uma distância entre a historiografia e as culturas digitais. Por isso, temos a intenção de contribuir, através deste minicurso, no sentido de diminuição destas distâncias e do estranhamento que o uso deste tipo de fonte ainda causa na historiografia.

Conteúdo programático / Metodologia: Metodologia.

Durante o minicurso iremos expor uma visão panorâmica sobre o uso de games como fontes históricas. No primeiro momento, apresentaremos os debates sobre temas inerentes ao uso de novas fontes digitais. Após a discussão teórica sobre estes temas, iremos apresentar uma proposta de metodologia de análise de games desenvolvida no âmbito da nossa pesquisa de doutoramento.
1: Apresentação e debate sobre o conteúdo programático.
2: Apresentação da metodologia de análise historiográfica dos games.

Conteúdo programático.


Culturas Digitais: debates e interpretações. O uso de fontes nascidas em meio digital. Noções sobre audiovisualidade e seus impactos na historiografia. História dos videogames. Games como fontes históricas no Brasil e no Mundo. Gamificação e a sociabilidade contemporânea. Abordagem metodológica dos games no âmbito da historiografia.

VII SEMANA DE HISTÓRIA DA UFBA – O CONHECIMENTO HISTÓRICO COMO AGENTE TRANSFORMADOR


A “VII Semana de História da UFBA – O conhecimento histórico como agente transformador”, promovida pelo Centro Acadêmico de História Luiza Mahin, conjuntamente com os discentes da graduação, de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA e com a Revista de História da UFBA, será um espaço de reflexão e divulgação de atividades e pesquisas desenvolvidas tanto pelos estudantes da casa, quanto de outras universidades e faculdades privadas. O evento será realizado, durante o período matutino e vespertino no Campus de São Lázaro, e durante o período noturno no Campus de Ondina; e, ainda, é um espaço de encontro entre estudantes, funcionários e professores de diversos cursos da Universidade.

Discutiremos, dentro desse espaço acadêmico, alguns temas concernentes tanto à atual conjuntura do país, quanto às diversas demandas políticas do curso de história, como currículo, gênero e diversidade, minorias étnicas e raciais, movimento estudantil etc. Nas conferências teremos a participação de alguns professores da casa, além de convidados, e poderemos refletir sobre algumas questões; sendo as conferências divididas por linha (Escravidão e invenção da liberdade; Cultura e sociedade; Sociedade, relações de poder e região), uma a cada noite. Por fim, reiteramos que o evento tem esse caráter interlocutor entre os diferentes níveis de ensino, aproximando assim os participantes das diversas discussões e abordagens historiográficas e agregando nesse processo a comunidade externa.

Diante da distância existente entre a graduação e a pós-graduação no campo da produção científica, nós, Centro Acadêmico de História Luiza Mahin, discentesda graduação, do PPGH-UFBA e Revista de História da UFBA, acreditamos que a organização conjunta de um evento que agregue os dois públicos será extremamente importante para fomentar o diálogo e a troca de conhecimento entre a graduação e a pós-graduação. Essa proposta partiu de estudantes do PPGH que demandaram um espaço acadêmico onde possam apresentar suas pesquisas e dialogar com os estudantes da graduação.

Por sua vez, os graduandos têm cobrado um espaço para discutirem e difundirem suas pesquisas realizadas no PIBIC (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica) e nos demais projetos de pesquisa, ensino e extensão da UFBA. Dessa maneira, o evento será um importante espaço de interlocução em níveis local e regional, pois contará com a participação de estudantes das demais universidades (estaduais, federais) e faculdades privadas, além de agregar coletivos e movimentos sociais. O evento tem, sobretudo, um caráter político, de modo que suscita debates atuais – conjuntura política, políticas públicas, práticas sociais etc - e evoca o conhecimento histórico como agente ativo e transformador de nossa realidade social.
ACESSE E FAÇA SUA INSCRIÇÃO: http://www.semanadehistoria2016.ufba.br/ 

CONVERSANDO COM SUA HISTÓRIA

Experiências na militância política, aspectos históricos e movimento estudantil no período ditatorial militar brasileiro, ocorrido entre 1964 e 1985, serão alguns dos temas abordados no Conversando com a sua História em agosto. O projeto, de autoria do Centro de Memória da Bahia – vinculado à Fundação Pedro Calmon/ SecultBA, tratará sobre o período que foi marcado pela imposição de diversos Atos Institucionais, falta de democracia, omissão de direitos humanos e a repressão. As palestras - abertas ao público - acontecerão sempre às 17h, no quadrilátero da Biblioteca Pública do Estado da Bahia - a Biblioteca dos Barris.
ACESSE: 

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O CURSO HISTÓRIA DA BAHIA


O Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, com apoio da Secretaria de Cultura, Fundação Pedro Calmon e Fundação Gregório de Mattos, está com inscrições abertas para a quinta edição do CURSO DE HISTÓRIA DA BAHIA. Ministrado e coordenado pela professora doutora Antonietta D´Aguiar Nunes, as aulas vão acontecer uma semana por mês, sempre das 14h às 17h, entre agosto a novembro, com carga horária de 80 horas (ver programação abaixo).
Durante o curso serão debatidos temas como a Pré História Brasileira e Baiana; capitanias hereditárias; primeiros engenhos; o séc. XVIII baiano: ouro em Rio de Contas e Jacobina; Revolução dos Búzios; a província da Bahia do sec. XIX; a Bahia republicana; revolução de 1930 e a chamada Era Vargas, dentre outros.
Em 2013, durante a terceira edição do encontro, o IGHB lançou, com o apoio da Bahiatursa, o livro “Conhecendo a História da Bahia – da pré-história a1815”, de autoria da historiadora Antonietta D´Aguiar Nunes. A publicação referiu-se ao período que vai desde a pré-história nas terras hoje consideradas Brasil, a chegada dos europeus, a colonização chegando até a elevação do Brasil a Reino Unido aos de Portugal e Algarves numa comunidade lusófona de nações. O segundo volume, Conhecendo a História da Bahia no período monárquico (1815-1889), com previsão de lançamento em novembro, refere-se ao período monárquico, abrangendo o Brasil Reino e o Brasil Império até a Aclamação da República na Bahia, uma das últimas províncias a aderir ao novo regime de governo: 1815 a 1889.
Estão sendo oferecidas 180 vagas. A taxa de inscrição é R$ 100,00 (cem reais) e pode ser feita pelo site www.ighb.org.br – Informações: Avenida Joana Angélica, 43, Piedade, e tel. 71 3329 4463 (das 13h às 18h).
Sobre a coordenadora: Antonietta D´ Aguiar Nunes é instrutora e coordenadora do Curso de História da Bahia desde 2011. Graduou-se em História em 1963 pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Ufba. Residiu em São Paulo onde fez a Pós-Graduação em Arte e Arquitetura na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, lecionando História na Pontifícia Universidade Católica e na Faculdade Prof. Carlos Pasquale. Retornando a Salvador, ensinou História da Bahia na Faculdade de Turismo da profª Olga Mettig e ingressou na Faculdade de Educação da UFBA para dar aulas de História da Educação, como professora substituta e depois concursada, onde fez o Mestrado e o Doutorado. Foi ainda Historiógrafa do Arquivo Público do Estado da Bahia, desde 1981 até quando se aposentou em 2011.

SERVIÇO
O que: Curso de história da Bahia
Quando: agosto a novembro de 2016 (quatro módulos)
Coordenadora e Instrutora: Antonietta D´Aguiar Nunes
Historiógrafa do Arquivo Público do Estado da Bahia por 30 anos e professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia.
Valor: R$ 100,00 (cem reais)
Carga horária: 80 horas


MESTRADO ACADÊMICO EM HISTÓRIA

Programa de Pós-Graduação em História, Cultura e Práticas Sociais - UNEB - Campus II

Edital de seleção de alunos de matrícula regular 2016-2017

Área de Concentração: História, Cultura e Práticas Sociais

Parte dos pressupostos clássicos da História Social articulados aos mais recentes desdobramentos da historiografia e articula as práticas e as representações construídas pelos diversificados atores em suas ações coletivas. Considera os elementos simbólicos como referências para a investigação histórica. Assim, abarca pesquisas que explorem práticas discursivas que se exprimem em narrativas literárias, memorialísticas e autobiográficas objetivadas em trajetórias individuais ou de grupos. Sob esse ângulo, desenvolve reflexões em torno das subjetividades que se revelam nas condutas culturais de configurações de classe, étnicas, raciais oriundas dos meios urbanos e rurais com atenção às suas especificidades. Nessa medida, interessam e se convertem em objeto de pesquisas os elementos que atravessam o mundo da produção da vida material e cultural. Debruça-se sobre as tradições, construídas e inventadas, tomando-as como elementos que cimentam as práticas sociais e suas temporalidades históricas. Além de dedicar-se à investigação acerca do universo do trabalho e da cultura e suas formas de expressão narrativa, a área investe na construção de arquivos que atendam aos objetivos estratégicos do programa, conforme suas linhas de pesquisa.

Linhas de Pesquisa

Linha 1: Sociedade e Práticas Narrativas

Esta linha de pesquisa ocupa-se dos diferentes registros das experiências sociais e das práticas de desarquivamento com vistas à elaboração de narrativas acerca do vivido em âmbito público e privado. Acolhe propostas de investigação que reflitam sobre questões relacionadas às narrativas de natureza memorialística, biográfica, literária e historiográfica. Reconhece a multiplicidade dos discursos que contribuem para a escrita da História e a importância dos memorialistas, arquivistas e escritores de diferentes tempos e lugares, visando explorar o sentido dessas práticas e suas contribuições para a historiografia. Busca ampliar a noção de fonte histórica e objetivá-la na orientação de pesquisas que relacionem sociedade, cultura, poder e suas modalidades de representação discursivas.

Linha 2: Mundos do Trabalho, Práticas Sociais e Trajetórias

Os temas a que esta linha de pesquisa se dedica vinculam-se à temática do trabalho em suas múltiplas dimensões, articulando os mundos do trabalho com a diversidade de práticas sociais dos sujeitos. Preocupa-se com a intersecção entre escravidão e liberdade, buscando alinhavar a integração dos estudos sobre trabalhadores livres, escravizados e libertos e o estabelecimento de conexões entre a escravidão e o pós-abolição. Incentiva a análise de trajetórias individuais e/ou coletivas que revelem experiências de vida construídas não apenas nos espaços de produção da riqueza material, da política e do poder, mas também nos mais variados ambientes de convívio, lazer e sociabilidade. Em uma perspectiva orientada pelo campo da cultura, busca compreender estratégias de classe, percepções de mundo, memórias, identidades, valores e crenças, acolhendo, portanto, pesquisas que abranjam aspectos diversos da vida em sociedade.

INSCRIÇÕES

Poderão se inscrever os candidatos graduados em curso superior de qualquer área, desde que reconhecido pelo MEC ou revalidado, nos casos de títulos obtidos no exterior.

Período: 15/08 a 30/09/2016, das 9h às 12h e das 14h às 17h, nos dias úteis.

CALENDÁRIO RESUMIDO DA SELEÇÃO 2016/2017

- Período de Inscrições: 15/08 a 30/09/2016;
- Homologação das inscrições: 7 de outubro de 2016;
- Resultado da 1ª ETAPA (Análise e seleção dos Projetos de Pesquisa): 21 de outubro de 2016;
- Realização da 2ª. ETAPA (Prova Escrita): 24 de outubro de 2016, das 9h às 13h;
- Resultado da 2ª. ETAPA (Prova Escrita): 1 de novembro de 2016;
- Realização da 3ª. ETAPA (Entrevistas): 7 a 9 de novembro de 2016.
- Resultado final: 16 de novembro de 2016;
- Início do curso: 6 de março de 2017.


IV SEMANA DE HISTÓRIA DA UNEB - CAMPOS II - ALAGOINHAS - BA

ACESSE A PROGRAMAÇÃO COMPLETA: 

VAGA DE ESTÁGIO BIBLIOTECONOMIA


Fundação Pedro Calmon

Estágio A Fundação Pedro Calmon/SecultBa está com inscrições abertas para vaga de estágio. Estudantes de Biblioteconomia, cursando a partir do 3º semestre, devem enviar os currículos até o dia 03 de agosto, para o e-mail: curriculo.rh@fpc.ba.gov.br com o assunto "Estágio Biblioteconomia".

LANÇAMENTO: O REI, O PAI E A MORTE: A RELIGIÃO VODUM NA ANTIGA COSTA DOS ESCRAVOS NA ÁFRICA OCIDENTAL


Convidamos a tod@s para o lançamento do livro O rei, o pai e a morte: a religião vodum na antiga Costa dos Escravos na África Ocidental, de Luis Nicolau Parés. Nicolau tem estudado os cultos voduns na Bahia e no golfo do Benim por anos. Esse empenho já havia dado resultado com os livros A formação do Candomblé e o site Práticas religiosas na Costa da Mina (www.costadamina.ufba.br), além de diversos artigos. Agora ele foca sua atenção nas práticas religiosas da região e seus desdobramentos na economia, política e sociedade da chamada área gbe.
O lançamento vai acontecer 16 de agosto a partir das 18h no Espaço Cultural da Barroquinha, que contará ainda com um bate-papo com Nicolau, que terei a honra de participar como mediador. Vale a pena prestigiar o lançamento dessa importante obra sobre história do golfo do Benim em português, que contou ainda com belíssimo prefácio do embaixador Alberto da Costa e Silva.

EDITAL ARQUIVO E MEMÓRIA: RESTAURAÇÃO E DIGITALIZAÇÃO DE ACERVOS ARQUIVÍSTICOS

Arquivo e Memória

Com objetivo de apoiar ações de restauração e digitalização de acervos arquivísticos, tanto textuais, quanto audiovisuais, sonoros ou iconográficos, o edital Setorial de Arquivos 2016 – Restauração e Digitalização de Acervos Privados visa incentivar a preservação e a democratização do acesso. Os documentos devem ser identificados como de interesse público e social para o resgate da memória coletiva da sociedade baiana. O valor global para as propostas será de R$ 300 mil no total, com limite de R$ 50 mil, para cada selecionado.

III JORNADA INTERNACIONAL SOBRE DIGITALIZAÇÃO DO DOCUMENTOS AMEAÇADOS - ACERVOS DIGITAIS E DIÁSPORA AFRICANA


Dia 26 de julho temos um encontro marcado no Auditório Multimídia do CCHLA/UFPB para debatermos sobre Acervos Digitais e Diáspora Africana no Brasil. Será as 19h. @s participantes inscrit@s e presentes irão receber certificado de 3 horas. 

ACERVOS DIGITAIS E DIÁSPORA AFRICANA


O Projeto tem por objetivo criar Acervos Digitais que contemple documentos (escritos, orais, iconográficos) e ações do protagonismo negro (vídeos-documentários), com vistas a atuar no processo educativo das relações étnico-raciais e na interatividade com os seus usuários (professores, extensionistas, pesquisadores, alunos e movimentos populares). Ao todo, 31.346 imagens foram digitalizadas e 7 vídeos documentários foram produzidos com lideranças e personalidades negras.
Vem conhecer o nosso projeto!