ARQUIVO DIGITAL REÚNE DOCUMENTOS DA ESCRAVIDÃO


FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO' (1770), PINTURA DE CARLOS JULIÃO

A plataforma Slave Societies Digital Archive (Arquivo Digital das Sociedades Escravocratas, em tradução livre), desenvolvida na Universidade Vanderbilt, nos EUA, disponibiliza documentos sobre a história de povos africanos no período de escravidão nas Américas. Lançado em 2003 pela historiadora americana Jane Landers, o acervo reúne aproximadamente 600 mil arquivos dos séculos 16 ao 19 que documentam as vidas de cerca de 6 milhões de africanos escravizados e seus descendentes, além de indígenas, europeus e outros povos com quem eles interagiram no continente. Mapas, gravuras, livros, registros de vendas, transcrições de eventos e certidões de batismos, casamentos e execuções estão no acervo. Abastecido por pesquisadores e instituições de diferentes nacionalidades, os arquivos contam a história de países como Cuba, Estados Unidos, Colômbia e Brasil. No site também há documentos de Luanda e Ouidah, cidades africanas que mantiveram portos de onde negros embarcavam forçadamente ao outro lado do Atlântico.


Acesse a matéria na íntegra: NEXOJORNAL


Chamada de Trabalhos para o XVI Encontro Nacional da ABET


Está no ar a Chamada de Trabalhos para o XVI Encontro Nacional da ABET (Associação Brasileira de Estudos do Trabalho).
"A reforma trabalhista no Brasil e no mundo".
(O GT 15 é de História Social.)
Salvador, Bahia, 6 a 9 de setembro de 2019.
ACESSE: 
https://www.abet2019.sinteseeventos.com.br/conteudo/view?ID_CONTEUDO=411&fbclid=IwAR3GNCCdfIdosOlUh0Mmfvo7sI4m_5hTN8JexwhQcUdyJqwjE2CtCcm4Ooc

Documento de 1832 ganha certificação da Unesco após ser restaurado



A Bahia foi contemplada com a certificação do registro nacional do Programa Memória do Mundo, da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Intitulado de Relíquia da Irmandade Devoção de Nossa Senhora da Solidade dos Desvalidos, livro de termos do ano de 1832, o documento foi um dos 10 selecionados em uma candidatura.
Foram reunidos 29 proponentes com importantes acervos brasileiros, e este foi o único da Bahia incluído nesta seleta lista. O manuscrito certificado pertence à Associação Protetora dos Desvalidos, antiga Sociedade Protetora dos Desvalidos, uma instituição remanescente da Irmandade dos Desvalidos.
É uma ata que fala sobre o cotidiano de uma das primeiras Irmandades compostas apenas por negros, ex-escravos e com trabalho de ganho, em que o intuito era o auxílio mútuo entre seus irmãos. A ata foi produzida entre os anos 1832 e 1847, em tinta ferrogálica e em tinta orgânica, em papel avergoado. É um documento importantíssimo para a história da presença dos negros na cidade do Salvador no século XIX.
No início deste ano, este mesmo documento já havia sido contemplado pela Prince Claus Fund, de Amsterdam, em um edital para recuperação de acervos documentais relevantes e em vias de desaparecerem, também proposto pela Profa. Dra. Vanilda Salignac Mazzoni (Memória & Arte - ateliê de conservação e restauração de acervo em papel), que o restaurou com o financiamento da empresa europeia.
Após ser recuperado, foi submetido ao edital MOW – Memória do Mundo/Unesco, em uma parceria entre o SPD, representado pela presidente Lígia Margarida Gomes de Jesus; Vanilda Mazzoni (Memória & Arte), Fabiano Cataldo (UniRio), Maria Cláudia Santiago (FioCruz), com o apoio dos pesquisadores Prof. Dr. João Reis (UFBA), Prof. Dr. Jorge Augusto Alves (Uesb) e Prof. Me. Lucas Campos (Uneb).
A certificação e reconhecimento do documento enquanto patrimônio histórico mundial é importante em um momento em que se discute a guarda e o destino do acervo cultural brasileiro, que recebe pouca atenção por parte do governo, pois prêmio como este incentiva todas as instituições a preservarem seus acervos.
ACESSE NA ÍNTEGRA: JORNAL A TARDE


Acervo de documentos históricos da Santa Casa revela a vida dos escravos na Bahia


São mais de 1,8 mil livros históricos, incluindo testamentos e registros de entrada
Braz, Adão, Hermenegildo, Porcino, Estevão, Aprigio, João, Mizael, Joaquim, Adão, Ludgero, Manoel, José Pequeno, Tiburcio, Maria, Domingas, Theodolinda, Roza. No dia 9 de julho de 1887, todos esses – apenas parte dos escravos da dona de taverna Raimunda Porcina de Jesus -, foram libertos em Salvador. Em seu testamento, a mineira radicada na Bahia, morta aos 62 anos, deixava, para eles, pelo menos dez imóveis.
O ato de Raimunda Porcina – uma das figuras curiosas da história da Bahia, apontada como cozinheira e até como primeira empresária do ramo musical no país – veio antes mesmo da abolição da escravatura, decretada em 13 de maio do ano seguinte, com a Lei Áurea. O testamento dela é um dos documentos raros que estão no acervo da Santa Casa de
Misericórdia da Bahia, em Nazaré.
Ao todo, são mais de 1.850 livros que remetem à história da entidade, escritos entre 1629 e até o século XXI, além de mais de mil documentos avulsos. São documentos que revelam fatos históricos do estado e do país e que, como é consenso entre historiadores, ajudam a entender o presente. No mês da Consciência Negra, o CORREIO visitou o centro de memória e teve acesso aos arquivos, que revelam como era a condição dos negros nos primeiros séculos de Salvador.
Além de testamentos, há também documentos como o assinado pelo ex-provedor da Santa Casa Francisco José Godinho. Em 1858, ele deixou uma quantia destinada à instituição para que, a cada ano, a entidade lançasse um edital público para comprar a alforria de três crianças com idades de até três anos.

No ano seguinte, foram alforriadas a menina Estelita, de apenas 5 meses de idade, filha de Severina; Isabel, filha de Maria Emília da Costa, e Liberata, filha de Maria. Por cada uma das crianças, era pago o valor estipulado pelo senhor em questão – em geral, variava entre 100 mil e 200 mil réis. Todas as transações estão documentadas nos livros da Santa Casa.
A maioria está em sua forma original, mas mais de 20 mil páginas já estão digitalizadas (o que corresponde a três coleções).
“Essa documentação é preponderante para entender a formação da cidade e do própria estado”, diz a coordenadora do Centro de Memória da Santa Casa da Bahia, Rosana Santos.

ACESSE NA ÍNTEGRA: 
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/acervo-de-documentos-historicos-da-santa-casa-revela-a-vida-dos-escravos-na-bahia/

REVISTA ACERVO: OS ARQUIVOS NA ERA DIGITAL


O artigo “Digitalização de jornais: uma reflexão sobre desafios e melhores práticas”, de Bruno Leal Pastor de Carvalho, debate criticamente a prática de digitalização de jornais, procurando destacar desafios, limites, análise de projetos e melhores práticas no campo.

OLHARES NEGROS COM O FOTÓGRAFO LÁZARO ROBERTO


Há quase trinta anos, sem que ninguém lhe peça ou lhe pague, Lázaro Roberto registra o cotidiano do povo negro da Bahia, em festas populares e manifestações de luta. Ele criou, ao lado dos também fotógrafos Raimundo Monteiro e Ademar Marques, o precioso Zumvi Arquivo Fotográfico, e quer agora digitalizá-lo. Em comemoração ao Dia da Consciência Negra, Muito conta esta história e traz fotografias icônicas do acervo, que tem cerca de 30 mil imagens. Em cada uma delas, memórias de quem somos.
Nas bancas, com o jornal A TARDE de domingo.
📷 Shirley Stolze / Ag. A Tarde | Reportagem: Bruna Castelo Branco | Design: Marcelo Campos
ACESSE E COLABORE: SALVE A MEMÓRIA DO POVO NEGRO

CHAMADA DE ARTIGOS DOSSIÊ HISTÓRIA E SUBÚRBIO



Ligada ao Programa de Pós-graduação em História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UNESP/Franca, a revista discente "História e Cultura" abre sua chamada de submissões para o dossiê "História e Subúrbio", organizado pelo Dr. Pedro Henrique Torres (PUC-Rio) e pela Dra. Cristiane Regina Miyasaka (Unicamp).

Os textos devem ser encaminhados exclusivamente através do site da revista: https://periodicos.franca.unesp.br/index.p…/historiaecultura

Proposta do dossiê:

Mais de duas décadas se passaram desde a publicação do trabalho clássico de José de Souza Martins (1992) sobre Subúrbio e ainda hoje os estudiosos que se dedicam à história dos subúrbios, quer de São Paulo, quer do Rio de Janeiro ou de outra cidade brasileira, ainda são raros e, portanto, se defrontam com a dificuldade de diálogo para pensar a respeito desse objeto de estudo. Tanto no âmbito da história urbana, como no da história social ou cultural, poucas são as pesquisas que buscam problematizar os subúrbios, a sua história e a de seus moradores, bem como as características de suas relações com as áreas urbanas contíguas.

Ainda que o tema tenha começado a despertar o interesse de alguns estudiosos recentemente, dentre eles os proponentes desse dossiê, os esforços ainda são esparsos e carecem de um espaço de debate. Organizar o presente dossiê corrobora com esse convite à reflexão feito por José de Souza Martins e proporciona um espaço profícuo de debate sobre a história dos subúrbios e suas potencialidades, que foram relegados a um papel marginal na história e também na historiografia. Tal iniciativa pioneira certamente oferecerá não só uma reflexão ampla e multifacetada sobre a questão, mas também reunirá em um único lugar os esforços dispersos daqueles que estudam a história dos subúrbios. Desse modo, contribuirá para que o tema ganhe visibilidade e possíveis novos interessados.
Assim, serão bem-vindas colaborações que abordem o debate historiográfico sobre o papel do subúrbio nas pesquisas históricas, tanto como estudos de casos suburbanos que, abrangendo o tema principal proposto neste dossiê, dialoguem para o desenvolvimento e a ampliação do debate acerca deste campo de estudo.

Em caso de dúvidas, entre em contato através do email: secretariahistoriaecultura@gmail.com


MUSEU VIRTUAL QUILOMBO DO CABULA


Seja Bem-vindo(a) ao site do Museu Virtual Quilombo do Cabula e prepare-se para conhecer uma parte especial de Salvador no  Século XIX. Venha com a gente nessa aventura!


Sobre o Museu

O Museu Virtual do Antigo Quilombo do Cabula emerge do contexto de atuação do projeto Turismo de Base Comunitária do Cabula, que visa a mobilização das comunidades para o empoderamento e autogestão do patrimônio sócio-histórico e cultural dos bairros populares do entorno da Universidade do Estado da Bahia – UNEB.


O museu virtual é resultado da tese de doutorado intitulada “História Pública do Quilombo do Cabula: representações de resistências em museu virtual 3D aplicada à mobilização do turismo de base comunitária”, autoria de Luciana C. de A. Martins, orientada pela professora Dra. Francisca de Paula Santos da Silva e co-orientada pelo professor Dr. Alfredo E. R. Matta.


PROJETO SALVE A MEMÓRIA DO POVO NEGRO



O projeto propõe digitalizar e catalogar o acervo fotográfico do Grupo Zumvi e divulgar, por meio do museu virtual “Plataforma Zumvi”. A entidade de fotógrafos negros baianos comprometidos com o registro da história, memória de atividades culturais e política da produção afrodescendente na Bahia. Nesse sentido, tal projeto irá digitalizar e catalogar cerca de 30.000 fotogramas que retratam os registros políticos-culturais que documentam a memória do mundo Negro de 1978 a 2013, na Bahia.
O acervo que propomos digitalizar e colocar a disposição pública possui grande relevância para pesquisas interdisciplinares.  O acervo revela uma série fotográfica impar no que se trate de imagens históricas sobre os movimentos negros nas décadas de oitenta até a atualidade.  O conteúdo das fotografias é diversificado e permite abordagens temáticas e problemáticas também diversas. A proposta ainda se justifica porque o acervo além de ser singular, não está disponível para pesquisas.

O projeto está voltado para a digitalização, catalogação, conservação digital, bem como para a criação de um banco de imagens aberto a pesquisa. Como já mencionado, o acervo do “Zumvi”, arquivo fotográfico contendo cerca de trinta mil fotogramas. O acervo se encontra armazenado na residência do fotografo Lázaro Roberto, em precárias condições, sujeito a diversos mecanismos de deterioração.

Importante ressaltar, que este acervo fotográfico tem um recorte nacional/ regional, pois guarda a memória das lutas contra o racismo na região nordeste, em um contexto de repressão intensa através da ditadura militar, período de abertura política, nova republica até os contextos atuais.  O acervo fotográfico ainda aborda eventos, e personagens importantes, envolvidos com a militância Com o dinheiro arrecadado, serão feitos investimentos necessários para a salvaguarda do acervo de fotografia, que está em suporte negativo 35 milímetros, e se encontra comprometido por ação do tempo, em estado de deterioração, precisando de uma intervenção urgente. Este será o primeiro passo de diversas ações de preservação do material.     


Inicialmente existe a necessidade de compra de equipamento, pois nosso trabalho é continuo, e prever a digitalização de outros acervos, de outras Memórias afro-brasileiras:

1-  Compra de máquina Scanner Microtek ScanMaker i800

2- 01 Microcomputador

3- 02 Hds com espaço de armazenamento de um Terabyte

4- Contratação de estagiários qualificados, que desempenharam trabalhos de catalogação, digitalização e  pesquisa.

5- Contratação de programador para criação da plataforma digital, que chamamos de "Plataforma zumvi"

6- Compra de matérias de conservação e papelaria.

Totalizando R$ 50 mil reais, no período de 60 dias.

Contatos: 
Faceboock- Zumvi Arquivo  
Intagram - Zumviarquivofotografico
ACESSE E COLABORE: 

Acordo de cooperação entre o Arquivo Público e a Igreja Mórmon vai permitir digitalizar 2,5 milhões de documentos


Um acordo de cooperação técnica entre a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons) e o Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES) será assinado nesta terça-feira (30), às 17h, na sede da instituição, com o objetivo de digitalizar gratuitamente, por meio do trabalho voluntário, 2,5 milhões de documentos, dentre eles listas de escravos, índios, registros da entrada de imigrantes de diversas nacionalidades, listas de navios, relações de colonos, matrícula de lotes, recenseamentos e certidões de nascimento, casamento e óbito registrados no Espírito Santo das décadas de 1920 a 1970.

O contrato de digitalização de imagens está sendo firmado com a empresa "Family Search", organização sem fins lucrativos, filiada à Igreja, com sede nos Estados Unidos da América, para a reprodução e disponibilização on-line das informações. Uma cópia irá compor o mega-arquivo da sede mundial, que fica em uma montanha granítica no Estado de Utah e reúne informações genealógicas de pessoas de todo o mundo. A organização possui parceria com mais de 10 mil arquivos e conta com a participação de 200 mil voluntários para criar e preservar imagens e disponibilizá-las a milhões de descendentes que buscam documentos sobre seus antepassados para fins de pesquisa e elaboração de árvore genealógica.

I COLÓQUIO DE HISTÓRIA DO RIO DE JANEIRO COLONIAL



Organizadores: Maria Isabel de Siqueira e Thiago Krause

(21 a 23 de Novembro, UNIRIO)

Nas últimas décadas, a historiografia brasileira sobre o período colonial cresceu, se diversificou e amadureceu. Em razão de sua importância, o Rio de Janeiro foi um espaço privilegiado pelos pesquisadores, tendo sido objeto de diversos trabalhos que abriram novas perspectivas para o estudo de toda a América Portuguesa. O I Colóquio de História do Rio de Janeiro Colonial, organizado pelo Manto – Núcleo de Estudos Coloniais na Época Moderna – reunirá alguns dos principais especialistas brasileiros em atuação para fazer um balanço do estágio atual da historiografia sobre a capitania fluminense e debater as perspectivas futuras de pesquisa.

Para fazer a inscrição como ouvinte e receber posteriormente o certificado de participação, envie o comprovante de pagamento da inscrição para o e-mail abaixo. Caso necessite do CPF para fazer uma transferência interbancária, por favor enviem um e-mail pedindo.

Programação
Inscrição
- Valor: R$ 25,00.
- E-mail para enviar o comprovante de pagamento: coloquiorjcolonial@gmail.com  
- Conta para Depósito: Banco Bradesco, Conta-Corrente: 0023159-2, Agência: 6897 (Thiago Nascimento Krause)

Chamada Pública Projetos de Patrimônio Cultural – Segurança em Instituições Culturais Públicas de Guarda de Acervos Memoriais



Chamada para seleção de projetos de segurança em edificações que guardam acervos memoriais brasileiros, tais como museus, arquivos e bibliotecas. O valor total da seleção é de até R$ 25 milhões em recursos a serem deduzidos por meio da Lei Rouanet. A aprovação no PRONAC deverá ser comprovada no momento da contratação.
Acesse o edital para conferir todo o regulamento da seleção.

Inscrições

Serão recebidas entre 05.10 e 14.11.2018. Cada instituição cultural pública de guarda de acervo memorial poderá enviar somente uma proposta. Confira o passo a passo:

1. Para se inscrever, o interessado deverá preencher este formulário de inscrição online, com a obtenção do número de protocolo de inscrição do projeto. Em caso de dúvidas, confira Manual de preenchimento do formulário e de envio de arquivos eletrônicos ao BNDES.

2. Enviar versão digitalizada da documentação exigida no item 6.7 da chamada em um arquivo .zip único, ao final do formulário online. Seguir as instruções contidas no Manual de preenchimento do formulário e de envio de arquivos eletrônicos ao BNDES. Importante: o nome do arquivo deve ser composto pelo nome da instituição de guarda de acervos memoriais no seguinte formato: “nome da instituição.zip”.

4. Encaminhar documentação via Correio ou via protocolo do prédio do BNDES no Rio de Janeiro, EDSERJ, conforme descrito no item 6.3 da chamada.
Contato

Para contato, questionamentos e recursos, envie sua mensagem exclusivamente para o e-mail deduc_chamada01@bndes.gov.br.


FOTOGRAFIAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM PORTO ALEGRE


Organizado por Regina Célia Lima Xavier e Felipe Rodrigues Bohrer, o e-book Africanos, afrodescendentes: imagens de Porto Alegre reproduz diversas fotografias de africanos escravizados que foram levados para trabalhar no Rio Grande do Sul e de seus descendentes, produzidas no final do século XIX e início do XX. Além das imagens e de textos explicativos sobre diversos aspectos das cenas e pessoas fotografadas, há dois artigos, de autoria de Márcia de Castro Borges e Denise Stumvoll.

Com distribuição gratuita, o se destina a todos os que se interessam pela história da escravidão e do pós-abolição, com especial destaque para pesquisadores, alunos de pós e de graduação, ensino médio e fundamental. Ele busca contribuir para a efetivação da Lei 10639/03, atual Lei 11645/08, que estabeleceu a obrigatoriedade do ensino de “História Afro-brasileira e Africana”. É um belo convite para uma reflexão sobre as trajetórias dos africanos e dos afrodescendentes na região sul do país, e sobre as diferenças e as diversidades étnicas e culturais na formação da cidadania no Brasil.

Serviço:
Xavier, Regina Célia Lima; Bohrer, Felipe Rodrigues, Africanos, afrodescendentes: imagens de Porto Alegre [e-Book]. São Leopoldo: Ed. Oikos, 2018, 318p.ss
ISBN 978-85-7843-825-8
Baixe se exemplar:
http://www.guaritadigital.com.br/oikos/africanos.html#

Baixe outros títulos: 
http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=57  

MACRÓBIOS EM PORTUGAL SETECENTISTA



Alem-Tejo
Monte mor o novo 15 de Março
Na Quinta feira 23 de Fevereiro faleceu no Mosteiro de Nossa Senhora da Saudação das Religiosas Dominicas, a Madre Soror Catherina de Jesus, contando 137 anos de idade, de exemplar vida, conservando até a sua morte sempre o juízo perfeito, e memória fresca, lembrando-se dos sucessos mais antigos deste Reino, que sucederam no seu tempo.

Aos 20 do mês passado faleceu nesta Vila Antonio Frazam, oficial de Conteyro, natural da Vila da Batalha, com 113 anos de idade; foi casado, lhe havia a mulher morrido 2 anos antes com quase a mesma idade, e tão zelosa do pobre velho, e com tantos ciúmes dele, que em lhe tardando qualquer tempo que saia arrumado a um bordão, e tão corcovado sobre a terra, que não trazia a cabeça de distante dela quando andava, mais de 2 palmos e meio, que chegando a casa eram tais as gritarias, descompondo-o; que tinha ido a casa da amiga, que desacomodava a vizinhança, e lhe acudiam a apaziguá-la.  

Aveiro, 8 de Mayo
Faleceu a 2 do corrente no Convento de Jesus das Religiosas Dominicas desta Vila, com 100 anos de idade a Madre Soror Angela do Sacramento, com muitos sinais de predestinada, exercitando muitos atos de virtude, continuando o Coro, e mais ações da Comunidade, e lendo pelo Breviário, como se fora de vinte ou trinta anos.

FONTE: Folheto de Lisboa, 1741. 
Disponível em: www.memoria.bn.br   


VIIIª SEMANA DE HISTÓRIA DA UFBA



Apresentação
A Semana de História da UFBA, de realização bianual, organizada pelo Centro Acadêmico de História Luíza Mahin e pelos/as discentes de Graduação e Pós-Graduação em História, e com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão, Departamento de História da UFBA, Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) e Laboratório de Teoria e História da Historiografia (LTHH), será realizada entre os dias 26 e 29 de novembro de 2018, nas dependências da Universidade Federal da Bahia, em Salvador. Tendo como tema central os Desafios contemporâneos à autoridade pública dos historiadores profissionais, sua 8ª edição lhes convida a pensar em que medida a disciplina histórica mantém sua autoridade pública na produção de narrativas que explicam o mundo à nossa volta. Isto é, o objetivo do evento é estabelecer um debate sobre o espaço ocupado pela História em tempos de crise política, no qual a legitimidade do historiador profissional é reiteradamente contestada. Isso diz respeito não somente ao campo da História, mas das Humanidades em geral. A difusão de informações em massa pelas mídias digitais perpassa sobremaneira a questão aqui postulada, de modo que haverá um espaço dedicado ao tema das fakenews no evento. Além disso, diante da importância da discussão acerca da História do Povo Negro no Brasil, e da ocorrência do Novembro Negro, momento bastante oportuno, teremos uma mesa redonda para debater o tema da Escravidão e Tráfico Atlântico, de modo que a participação de Movimentos Sociais é de fundamental importância nessa e nas demais discussões. Finalmente, nosso evento se encontra num contexto de intensos e progressivos cortes de recursos para a Educação em nosso país, de tal maneira que os debates aqui propostos estão inseridos numa dinâmica de embate institucional, político e social em prol de uma Universidade Pública, Gratuita, Laica e de Qualidade.

As inscrições para submissão de propostas de Simpósios Temáticos estarão abertas até o dia 14 de outubro!
Não deixem de se inscrever!
Mais informações: www.8semanadehistoria.ufba.br

Abrigo de documentos raros, Arquivo Público da Bahia sofre com descaso


Marina Silva/CORREIO
Por dois anos, prédio ficou no escuro; risco de curto-circuito

A parede rosa do casarão do século XVIII está descascada e os pisos e tetos de madeira já não parecem aguentar a idade. Na porta de uma das salas, um tapume verde improvisado é a única proteção da História preservada logo ali dentro. Grande guardião da história do estado, o Arquivo Público do Estado da Bahia (Apeb) tem perdido logo para o tempo. O tempo dos sucessivos descasos com a manutenção do espaço, concebido desde 1890 e instalado no bairro de Baixa de Quintas desde 1980.

A reportagem do CORREIO entrou no casarão e verificou alguns 'erros' no Arquivo. Numa das salas da administração, no térreo, fios soltos no chão estão completamente embolados. No banheiro feminino do mesmo pavimento, um interruptor arrancado ainda deixa expostos alguns cabos.
Leia matéria na íntegra: 

Museus na Bahia chegam a ficar mais de 20 anos sem trocas na rede elétrica


Nos três equipamentos mais populares da capital, a média de espera para reparos é de 21 anos. 
Foto: Almiro Lopes
Quando a hoje enferrujada rede de distribuição elétrica do Museu de Arte da Bahia (MAB) foi implantada, em 1991, o espaço havia ficado fechado por dois anos. Não havia condições elétricas, hidráulicas e estruturais para abertura ao público. Até hoje, 27 anos após sair do colapso, nenhuma grande intervenção. O mesmo para os outros dois museus mais frequentados de Salvador: o Museu de Arte Moderna (MAM) e o Palacete das Artes. Juntos, os três contabilizam mais de 20 anos sem intervenções na rede elétrica e quase 100 mil visitas apenas em 2018.
Leia matéria na íntegra: 

PRESERVAÇÃO SEM FRONTEIRAS



Por Isabella Baltar
Com o ocorrido no Museu Nacional esta semana, resolvi voltar a mencionar um projeto o qual fui agraciada em 2015, voltado para recursos educativos na área de preservação e restauração de pequenas bibliotecas e arquivos. Coloquei o nome de Preservação sem Fronteiras ao projeto pois ele é abrangente, já que está accessível em três diferentes idiomas: o Português, o Inglês e o Espanhol. Não deixe de visitar a página e fazer o download dos posters. São recursos GRATUITOS.
Preservação sem Fronteiras tem por objetivo principal compartilhar o trabalho desenvolvido pela Divisão de Preservação das Bibliotecas da Universidade da Carolina do Norte em Greensboro, nos Estados Unidos. Seu caráter é educativo e tem a intenção de ser fonte de troca de informações pertinentes à prática da preservação e conservação básica em bibliotecas e arquivos. Para assegurar que este conhecimento possa abranger um maior número de comunidades, todos os arquivos serão traduzidos em três línguas: o Inglês, o Português e o Espanhol.

ANNA NERY VAI À GUERRA


Tendo já marchado para o Exército dois de meus filhos, além de um Irmão e outros parentes, e havendo se oferecido o que me restou nesta Cidade, Aluno do 6º ano de Medicina, para também seguir a sorte de seus Irmão e parentes na defesa do País, oferendo seus serviços médicos, como brasileira, não podendo ser indiferente aos sofrimentos dos compatriotas, e como Mãe, não podendo resistir a separação dos objetos que me são caros, e por uma tão longa distância, desejava acompanha-los por toda a parte, mesmo no teatro da Guerra, se isso me fosse permitido; mas opondo-se a este meu desejo a minha posição e o meu sexo não impedem, todavia, estes dois motivos a que eu ofereça os meus serviços em qualquer dos Hospitais do Rio Grande do Sul, onde se façam precisas, com o que satisfarei ao mesmo tempo os impulsos de Mãe, e os deveres de humanidade para com aqueles que sacrificam suas vidas pela honra e brios nacionais e integridade do Império.

Digne-se Vossa Excelência de acolher benigno este meu espontâneo oferecimento, ditado tão somente pela voz do coração.
Bahia, 8 de agosto de 1865.
Deus Guarde a Vossa Excelência
Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor Doutor Manoel Pinto de Sousa Dantas, Meu Digno Presidente desta Província.
Dona Anna Justina Ferreira Nery.
Fonte: 
Biblioteca Francisco Vicente Vianna. 
Arquivo Público do Estado da Bahia.  



  

World Digital Preservation Day 2018



About World Digital Preservation Day

World Digital Preservation Day (formerly International Digital Preservation Day) is held on the last Thursday of every November. This year, on 29th November 2018, the digital preservation community will come together to celebrate the collections preserved, the access maintained and the understanding fostered by preserving digital materials.

The aim of the day is to create greater awareness of digital preservation that will translate into a wider understanding which permeates all aspects of society – business, policy making, personal good practice.

Pervasive, changing and ubiquitous, digital technologies are a defining feature of our age. Digital materials are a core commodity for industry, commerce and government. They are fundamental for research, the law and medicine. The creative industries, cultural heritage and the media depend on reliable access to digital materials while families and friends extend and sustain their relationships through digital interactions. What better reason to celebrate the opportunities created by digital preservation?!

How to join in...

Organised by the Digital Preservation Coalition (DPC) and supported by digital preservation networks around the world, World Digital Preservation Day (WDPD2018) is open to participation from anyone interested in securing our digital legacy. We want World Digital Preservation Day to provide a window into the daily activities of those involved with or contemplating digital preservation. And, in order to create a full a picture as possible, we would like to showcase a wide range of experiences, activities, projects, collections and challenges. Data creators, curators and consumers from around the world are invited to get involved and share stories of their own 'digital preservation day.'

https://dpconline.org/events/world-digital-preservation-day 

DOS PORTOS AOS SERTÕES: TRÁFICO INTERNO NA AMÉRICA PORTUGUESA, C. 1778-1797


Laboratório em História Social da UnB divulga palestra do Historiador Cândido Domingues:

DOS PORTOS AOS SERTÕES: TRÁFICO INTERNO NA AMÉRICA PORTUGUESA, C. 1778-1797

Cândido Domingues é doutorando em História pelo Centro de Humanidades / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e Universidade dos Açores (CHAM / FCSH / UNL-UAç), Bolsista CHAM, professor assistente da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Desenvolve pesquisas sobre tráfico e traficantes de gente africana escravizada no período colonial, sendo integrante da linha Escravidão e Invenção da Liberdade, do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA.

RESUMO: A sociedade da colonial brasileira tem-se mostrado, a cada novo estudo, sempre mais complexa. A escravidão africana e a consequente hierarquização de status sociais e das cores fizeram desta sociedade um desafio aos pesquisadores que buscam compreender os meios de sociabilidade e suas contradições. Um ponto nevrálgico da formação do Brasil Colônia foi o tráfico atlântico de escravos. Ele alimentou e renovou o mercado de mão de obra nas cidades e nos mais distantes rincões daquele território. Através do comércio internacional de pessoas escravizadas, a riqueza da metrópole e suas colônias foi potencializada, as elites coloniais compuseram seus jogos no tabuleiro político-social e, principalmente, hoje os pesquisadores analisam a multidão étnica que se tornou aquela sociedade. Se hoje conhecemos bastante sobre tais temas nas histórias das principais cidades como Salvador, Olinda, Recife, Rio de Janeiro ou Mariana, ainda temos um desafio que é compreender melhor o tráfico interno de escravos que, dos portos negreiros brasílicos, redistribuíam a mão de obra, fomentando a hierarquia, o poder e a composição étnica dos distantes sertões americanos em geral, e brasileiros em especial. O objetivo desta comunicação é contribuir para o avanço de tais pesquisas a partir da análise de “passaportes” para venda de escravos para as diversas Capitanias brasileiras nas últimas décadas do século XVIII emitidos pela Capitania da Bahia, atentando-se aos acontecimentos passados na costa africana que mudam a composição étnica dos que desembarcavam em Salvador, e às demandas globais de economia que acabavam por atingir regiões distantes dos centros de poder como as minas de Goiás, ou os territórios da agropecuária, como Maranhão e Piauí, que figuravam no período como destino com potencial para rivalizar com as regiões mineradoras tradicionais do Sudeste.

Dia 3/9/2018, às 16h, na Sala de Aulas da Pós-Graduação em História
Haverá emissão de certificada para participantes.
#LHSUnB #LHSPromove #LHSDivulga

Projeto de digitalização de documentos holandeses produzidos durante o governo de Mauricio de Nassau em Pernambuco



O fosso que separa as fontes históricas e os pesquisadores é enorme. Nos dias de hoje, muitas vezes para um historiador ter acesso a um arquivo histórico, ele precisa deslocar-se até a instituição detentora de acervos, ultrapassando, inclusive, barreiras continentais. Desta forma, é de imensa necessidade a criação de uma nova ponte entre o universo tecnológico e o universo documental. Um sistema que dê um suporte ao historiador e/ou usuário comum na pesquisa de documentos históricos seria de grande valia não só no Brasil, mas em todo o mundo.
Com isso, o Laboratório Liber deu início a esse projeto pioneiro. A metodologia de desenvolvimento do projeto é a seguinte:

• Criação de um Banco de Dados único que aceite qualquer documentação histórica, em qualquer formato (texto, imagem, áudio e vídeo);
• Construir uma arquitetura robusta e modular que dê suporte ao sistema;
• Prover funcionalidades para a melhor iteração usuário-documento;
• Disponibilizar uma versão em metadados das informações contidas no banco de dados, facilitando a integração entre outras instituições que queiram usufruir nosso repositório;
• Utilização de um sistema de recuperação de informação adequado para o usuário ter os melhores retornos em suas buscas;
• Realizar a documentação do sistema;

Os resultados obtidos até os dias de hoje foram bastante satisfatórios.
Utilizando os conceitos previamente planejados, foi criada uma base de dados única, sem redundâncias ou inconsitências e robusta.

A busca por palavra-chave também foi implementada e o tempo de resposta esperado foi acima do desejado. Após a busca, o usuário já pode visualizar o arquivo históricodigitalizado. O sistema também se encontra devidamente documentado.
A versão em metadados, a melhoria da resposta ao usuário na busca e a manipulação da documentação em áudio e vídeo está sendo estudada.

A publicação destes fundos arquivísticos em meio digital significa não só
disponibilização em larga escala — o que proporcionará a qualquer pessoa ligada à Internet o acesso ao conteúdo documental das fontes —, mas, principalmente, sua virtual preservação.