Lançamento do Livro e Conferência de Roderich Ptak


28 de janeiro, segunda-feira, às 18:30 
Centro Científico e Cultural de Macau, I.P.
Rua da Junqueira nº 30
1300-343 Lisboa
Portugal

Séminaire - Le Brésil d’Ancien Régime. Institutions impériales, société coloniale


Ce nouveau séminaire a deux fonctions principales. Il doit être le lieu de présentation et de discussion de l’historiographie brésilienne et brésilianiste sur la période coloniale. Il est également le cadre de développement d’une recherche collective engagée sur la notion de « bon gouvernement des gens » dans les municipalités brésiliennes d’Ancien Régime. Les séances historiographiques et celles qui portent sur la recherche commune en cours alterneront pendant les deux semestres. Les matériaux seront mis à disposition des étudiants et participants à travers l’espace numérique de travail.
1) L’examen de l’évolution du paysage historiographique portera en priorité sur les modèles aujourd’hui en discussion au Brésil. « Ancien système colonial portugais », « Ancien Régime sous les Tropiques », « Compagnie des Indes » ou « Gouvernement des Autres » : ces formules désignent pour les unes des cadres d’interprétation et pour les autres des réseaux de recherches aujourd’hui très actifs au Brésil (ainsi qu’au Portugal). La question posée est de savoir à quel point la critique du paradigme de l’État moderne, telle qu’elle a été conduite en Europe à propos des institutions royales et princières, peut modifier l’analyse des institutions et de la société Brésilienne d’Ancien Régime. En retour, nous mettrons ne valeur les propositions historiographiques qui placent l’accent sur le poids exercé par des sociétés coloniales et esclavagistes à très grande échelle sur les sociétés européennes elles-mêmes.
2) L'avancée du programme de recherche conduit avec nos collègues de l’Université fédérale de Rio de Janeiro fera l’objet de séances de travail collectif. Les partenaires brésiliens du projet qui viendront à Paris pourront partager avec nous l’avancée de leurs enquêtes de terrain dans le séminaire. Il s’agira de vérifier, par l’examen des actes des municipalités brésiliennes, les modes de circulation des concepts du droit savant et de la théologie morale dans les usages politiques ordinaires. Les villes concernées sont Salvador de Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Vila Rica, São Luis. L’équipe parisienne fera porter l’essentiel de son effort sur la ville de Bahia. C’est pourquoi, un lien sera naturellement opéré avec l’autre projet en cours, Baia16-19, qui porte sur l’histoire de la première capitale de l’Amérique portugaise, en coopération avec l’Université fédéral de Salvador de Bahia et l’Université nouvelle de Lisbonne – Centre d’histoire de l’Outre-mer.
Les lectures qui serviront de point de départ pour chaque séance seront mises en ligne dans l’espace numérique de travail. Les étudiants de master qui souhaitent valider ce séminaire devront envoyer, avant chaque séance, un commentaire de 3000 à 4000 signes sur les lectures du jour.


Mestrado em Gestão de Documentos e Arquivos



A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos – PPGARQ, do Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (PPGARQ/CCH/UNIRIO), torna pública, para conhecimento dos interessados, a abertura de inscrições para o processo seletivo discente do Curso de Mestrado Profissional em Gestão de Documentos e Arquivos – MPGA.
Período de inscrição: 18 de fevereiro a 15 de março de 2013, no horário das 9h às 12h e de 16h as 19h30.
Local de inscrição: Protocolo do Centro de Ciências Humanas e Sociais – Avenida Pasteur, 458, Urca, Rio de Janeiro.
As inscrições também poderão ser realizadas pelo Correio, via SEDEX, em envelope contendo a documentação exigida e encaminhada para o Protocolo do CCH, Av. Pasteur, 458  – Urca, CEP 22290-240 – Rio de Janeiro – RJ, com carimbo de postagem até o último dia de inscrição.
Número de vagas: até 15 vagas.
Seleção e classificação:  O processo seletivo será composto de 4 etapas: 1 análise de documentos e 3 de realização de provas (Prova Escrita de Conhecimentos Específicos; Prova Oral; Prova escrita de compreensão de texto em língua estrangeira).
Os alunos aprovados iniciarão suas aulas em agosto de 2012.

BANCO DIGITAL DE IMAGENS - HUMANLINE



Humanline é um banco de imagens gratuito que reúne uma coleção de imagens históricas royalty free de retratos, mapas antigos, ilustrações, gravuras, além de recursos para professores. Humanline revela a história da civilização, artes e ciências. As galerias de Humanline são organizadas por tópicos como, arquitetura, arqueologia, história, antropologia, povos, estilos de vida, religião e engenharia, o que torna a busca facilitada. Podemos também pesquisar por palavras chave. Tanto educadores como estudantes podem reutilizar as imagens gratuitamente, desde que cumpram os requisitos legais das licenças para tal. Excelente fonte de recursos visuais para apresentações ou ponto de partida para projetos de pesquisa. 

DIGITALIZANDO A HISTÓRIA DE MADRI



Jaime García 

Uno de los operarios de la biblioteca digital escanea un original, que se incluirá en la web de uso público

El Archivo de Villa custodia 27 kilómetros de estanterías con documentos de la historia de la ciudad. Como la Hemeroteca Municipal, o la Biblioteca Histórica de Madrid, son auténticos tesoros por descubrir, donde hasta ahora sólo buceaban eruditos e investigadores. Pero esto está cambiando, gracia al proyecto de la Biblioteca Digital, en marcha desde hace algo más de un año, y que facilita que todos estos documentos —escritos, imágenes, grabados, discursos, partituras, dibujos o cualquier otro soporte— puedan ser conocidos por cualquier ciudadano, incluidos los profanos, sólo con un «clic» del ratón del ordenador.

La Biblioteca Digital nace con un doble objetivo:procurar el acceso público a toda esta documentación histórica del Ayuntamiento de Madrid, y garantizar a la vez la conservación de estos documentos. Algo que, a simple vista, parece incompatible —por la antigüedad de los materiales originales, que en ocasiones los hace muy vulnerables a la manipulación—. Pero la tecnología se ha aliado en este caso con la historia: a través de un artesanal proceso de digitalización, todos estos documentos cuentan con «copias» que es posible descargarse en la red, de manera que el original no se vea alterado ni dañado, y su «alter ego» pueda ser consultado por todo aquel que lo desee. De forma fácil, cómoda y gratuita.

Así, a través de la página web memoriademadrid.es, se entera uno de esa pequeña intrahistoria que es la sal y la pimienta de la gran Historia con mayúsculas. Como que un tal Vicente Lunardi ascendió en globo aerostático desde la Puerta del Sol el 8 de enero de 1793, hace ahora 220 años, y que aterrizó poco después en Daganzo, a disparos de un vecino que sufrió una fuerte impresión al ver aquel artefacto que se acercaba desde el aire.

Napoleón, invasión en globo
O que el propio Napoleón pensó en introducir 250.000 hombres en España atravesando los Pirineos en 250 globos aerostáticos, en los que pensaba introducir soldados, caballos, tiendas y cañones. Todo ello, convenientemente documentado con reproducciones de los originales donde se explica, con todo detalle, el plan.

Los responsables de la Biblioteca Digital, ubicada físicamente en el centro cultural Conde Duque, son Juan Ramón Sanz y Gilberto Pedreira. Dos apasionados de su trabajo que se han impuesto como misión convertir esta utopía en realidad: que la casi inagotable fuente de recursos históricos de Madrid esté al alcance de expertos y legos.

Su entusiasmo y dedicación han conseguido que lo que nació como un poryecto en 2005 —en el Libro Blanco para la implantación de la Sociedad de lInformación— y quedó luego, por falta de presupuestos, metido en un cajón, haya resucitado de cara a los actos del bicentenario de mayo de 1808. Y a partir de ahí, haya despegado definitivamente, sobre todo después de que el Plan Avanza, del Gobierno Central, les proporcionara una ayuda económica trianual que supuso el «oxígeno» necesario para seguir adelante.

La documentación con que trabaja la Biblioteca Digital sale del Archivo de Villa, de la Biblioteca Histórica de Madrid, de la Biblioteca Musical «Víctor Espinós», de la Hemeroteca Municipal, de la Imprenta Municipal, de los museos de Historia y de Los Orígenes, del servicio de Cartografía Histórica del Ayuntamiento, de algunas juntas municipales como la de Centro ...

Curiosos, historiadores, investigadores
Todos estos documentos se están digitalizando y las copias «subidas» a la página web, en un proceso que combina las últimas tecnologías con la más pura artesanía: escanean hoja por hoja.

Los originales se capturan al cien por cien de su tamaño. Esa copia se guarda, y se hace una segunda que es la que se sube a internet, y con la que se puede «trabajar»: hacerle la marca de agua, bajarle la resolución, etcétera. De este modo, el original queda siempre resguardado, a la vez que la copia es visible por cualquiera que muestre curiosidad por el tema. «Nuestros usuarios son el curioso, el amante de la historia de la ciudad, el usuario avanzado y el experto, el investigador», explican los responsables de la Biblioteca Digital.

Además de los contenidos señalados, la página web «memoriademadrid» añade otros relacionados, por ejemplo, con el teatro: «Están las copias de trabajo que le daban al actor para ensayar, que a veces son la única prueba que queda de determinadas obras;es una magnífica manera de ver todo lo que se representó en Madrid, que es como decir en España, en el siglo XVIII», indican.

Monográficos
Una tercera oferta son los contenidos especiales: monográficos sobre el Dos de Mayo de 1808, sobre los Cien Años de la Gran Vía, o en breve, otros sonbre la Banda Sinfónica Municipal —también centenaria—, la ermita de San Antonio de La Florida o el Templo de Debod —con la posibilidad de ver la reproducción virtual de los colores originales de su decoración interior—.

Del cruce de datos de las distintas fuentes históricas de las que beben, resultan combinaciones muy ricas:la posibilidad de seguir y completar un expediente cuyas piezas fueron separadas décadas o hasta siglos atrás. Ola utilización de los planos georreferenciados de los distintos edificios que existían en Madrid en 1800, datos que permiten levantar virtualmente la imagen de estos inmuebles, y «ver» cómo era en realidad el Madrid de hace doscientos años.

A finales de diciembre, la Biblioteca Digital ofrecía 42.000 documentos y 2 millones de imágenes. Pero esta cifra crece día a día, por el trabajo de quienes ocupan su jornada laboral escaneando nuevos documentos que ofrecer a los ojos de los vecinos más curiosos. Que cada día son más:las visitas que reciben rondan las 300.000, y han aumentado un 60 por ciento en el último año.

Como la tecnología permite que, literalmente, el saber no ocupe lugar, los amplísimos fondos públicos sobre la historia de Madrid van alojándose, gracias a esta iniciativa, en un limbo informático que crece cada día, y promete hacerlo más aún: en estos momentos, por ejemplo, la Biblioteca Digital está en negociaciones con el Instituto de Estudios Madrileños, para firmar un convenio que permita a «memoriademadrid» difundir también los fondos patrimoniales de esta centenaria institución.
FONTE: ABC.es 

REVISTA HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA


História da Historiografia publica artigos, resenhas, entrevistas, textos e documentos historiográficos de interesse para os campos da história da historiografia, teoria da história e áreas afins. Tem por missões divulgar textos de teoria da história e história da historiografia, e promover o intercâmbio de ideias e resultados de pesquisas entre investigadores dessas duas áreas correlatas. Num momento em que, no cenário brasileiro, o crescimento do número de periódicos científicos apenas espelha (se bem que de forma algo distorcida) a ampliação dos programas de pós-graduação, é consenso que o próximo passo a ser dado é o da verticalização e especialização do perfil das publicações. HH foi fundada em 2008 exatamente a partir desse diagnóstico, e pretende estabelecer-se como uma referência para os estudiosos das áreas de teoria da história e história da historiografia no mundo de língua portuguesa. O periódico é uma publicação interinstitucional da Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia, do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).
Temos periodicidade quadrimestral e recebemos em fluxo contínuo. Os interessados em enviar contribuições devem verificar as normas editoriais e as palavras-chave disponíveis.
História da Historiografia oferece acesso gratuito e integral a todo conteúdo deste site. Esta revista possui Qualis B1 e é indexada nos seguintes serviços: Scopus | ElsevierGale|Cengage LearningEBSCO (Historical Abstracts)Latindexe-revist@as, Sumários de Revistas BrasileirasUlrich's Periodicals DirectoryGoogle AcadêmicoLivRe!Harvester2Directory of Open Access Journals (DOAJ)Portal de Periódicos da CAPES.
Os autores ou editores de livros publicados com até três anos nos campos da história da historiografia, teoria da história ou áreas afins que desejem obter uma resenha publicada na revista, por favor, entrem em contato através do e-mail: historiografia@ufop.br para obter os detalhes para envio do exemplar.

FESTA DE LANÇAMENTO DE NILDÃO


O cartunista e designer Nildão promove big festa para lançar "Drops Pops", seu décimo sexto livro. Será sábado, dia 26 de janeiro, a partir das 22 horas no Póstudo, Rua João Gomes n° 87, no Free Shop - Rio Vermelho. A animação fica por conta de DJ Roger N' Roll, o ingresso custa 30 reais e dá direito a um exemplar do livro. "Drops pops" é um livro em formato postal, capa dura, em preto & branco & pitadas de vermelho, com o patrocínio da Maianga e que brinca com os ícones universais da cultura pop: de Bob Marley a Fernando Pessoa, de Michael Jackson a Hitler, todos são tratados e digitalmente modificados através da lente do humor sutil e perspicaz do autor. Nos últimos dez anos, Nildão lançou dez livros em animadas festas dançantes no Rio Vermelho. O que une todos eles é o humor sutil, matéria prima que o artista utiliza nos seus mais variados suportes. De nanodelicadezas a falsas marcas, de cartuns não verbais a anúncios fictícios, o afiado e delicado humor de Nildão continua atual e a serviço da não paranóia, estado de espírito pouco cultivado nos dias de hoje. Todos os livros lançados nesse período estão à venda no site autoral: nildao.com.br

TODOS OS CAMINHOS LEVAM AO BOMFIM



Excelentíssimo Senhor Conselheiro Presidente da Província da Bahia.
Maria Archanja de Jesus, crioula pobre e livre, residente no Rio de Janeiro, donde vier a pouco para esta Província fazer uma romaria ao Senhor do Bomfim; e devendo regressar para ali, humilde e respeitosamente.
Pede a Vossa Excelência, que, como Pai da pobreza lhe mande dar uma passagem, das que dispõe o Governo, no 1º Vapor Nacional, que aqui chegar e partir para referida Corte.
E. R. Mercê.
Maria Archanja de Jesus.
Bahia, 6 de março de 1863. 

Fonte: Arquivo Público do Estado da Bahia 
Seção Colonial / Provincial 
Escravos - Assuntos 
MAÇO: 2886
ANO: 1860-1874 

Rafael Pondé - A Revolta dos Malês




Perto do Abaeté tem um nego mandigueiro
Descendente do Malês, povo nobre e guerreiro
Faz dali o seu terreiro
Na roda de Capoeira ou orando ao Deus Allah
Veste branco às sextas-feiras
Usa xale e patuá
(seu avô era um Alufá)
Esse nego um dia fez revolta
A revolta dos Malês, foi na Bahia que se fez
A Revolta dos Malês
O canto de apear o boi
(foi o Male que trouxe)
E se você vestir um abadá
(foi o Male que trouxe)
O misticismo e a superstição
(foi o Malê que trouxe)
A moda de viola do sertão
(foi o Male que trouxe)
Tapas, Haussás, baribas
Negos e mandingas
A Revolta dos Malês foi na Bahia que se fez
A Revolta dos Malês

REVISTA ARCHIVAMOS


Archivamos é uma revista profissional, de periodicidade trimestral, que permite conhecer as últimas novidades do mundo arquivístico. É uma publicação elaborada por pessoas que trabalham em arquivos e vivem seus problemas e onde todos os arquivistas podem mostrar seus trabalhos, divulgar suas propostas e apresentar seus pontos de vista. Sua versão impressa é distribuída gratuitamente entre os associados da ACAL e pode ser adquirida também no site da associação, no valor de 12,00 € para associados e 15,00 € para não associados. 

Carta à Diretoria da Associação Nacional de História – ANPUH-Seção Bahia




Salvador, 11 de janeiro de 2013
À Diretoria da Associação Nacional de História – ANPUH-Seção Bahia
C/C: Presidente da Associação Nacional de História – ANPUH-Brasil

Caros colegas,

Há três anos, acompanho, com estarrecimento, o total e absoluto descaso com o qual o Governo do Estado da Bahia vem tratando os graves problemas pelos quais está passando o Arquivo Público do Estado da Bahia (APEB). Como é sabido por todos os pesquisados da área de História que moram nesta terra ou que a visitam a trabalho, o APEB está há três anos com suas instalações elétricas em curto, infiltrações em várias de suas dependências e seríssimos problemas de umidade, que estão deteriorando, a passos acelerados, o importantíssimo acervo sob a guarda daquela instituição. A antiga sala de pesquisa, mais ampla e com capacidade de receber um número maior de pesquisadores, teve que ser fechada por falta de condições de uso. Não havia mais como ligar as luzes ou o sistema de ar condicionado. Agora, quem quiser, pode tentar uma mesa no minúsculo cômodo para o qual os oficiais da história são encaminhados para consultar seus documentos. É comum que alguns colegas fiquem do lado de fora à espera que alguém saia para ocupar uma das poucas mesas disponíveis no cubículo inóspito.

Por outro lado, o Governo do Estado da Bahia despendeu e continua a despender milhões de reais na montagem de infraestrutura para festas e com o pagamento de cachês vultosos aos integrantes das bandas de pagode e de axé, antigos bajuladores do carlismo que agora declaram amor a Jaques Wagner, ou melhor, ao cobre guardado no Tesouro da Bahia. Dentro da mesma lógica, professores da educação básica estadual que reivindicaram melhorias em seus salários e em suas condições de trabalho foram tratados com truculência, cortes de salários, demissões e toda sorte de perseguições. Nas universidades estaduais baianas a situação ainda é de orçamento tão apertado quanto no triste tempo do carlismo, mas agora há um fato novo: o Governo não apenas manteve o arrocho salarial contra os docentes e o arrocho orçamentário contra as instituições estaduais de ensino superior da Bahia, como ampliou a intervenção na gestão de seus parcos recursos, numa clara violação do princípio constitucional que assegura autonomia à instituição universitária, previsto tanto na Constituição Estadual quanto na Federal.

O conjunto desses absurdos demonstra que nada mudará se as entidades de defesa da educação, da cultura e dos educadores não fizerem um enfrentamento contra esse Governo. No caso específico do APEB, reivindico que a ANPUH tome as providências cabíveis, inclusive no âmbito legal, com vistas a forçar o Governo a realizar as obras necessárias naquela instituição e a construir um novo prédio, em local apropriado. Sugiro que o Ministério Público seja acionado e instado a cobrar do Governo a realizar, imediatamente, as reformas urgentes que o APEB necessita. Além disso, seria de bom alvitre que outras entidades profissionais pertinentes fossem contatadas e instadas a cerrar fileiras em torno de uma pauta comum.

Colegas, ou lutamos ou não apenas o APEB ficará nas trevas!

Aldrin Castellucci
Professor Adjunto de História do Brasil
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Matrícula 74.417470-9

LANÇAMENTO: O QUE PODE UM SUBALTERNO


RESUMO: Neste trabalho, verificamos os discursos sobre a cidade do Salvador que são retomados por Pedro Calmon e, sob o efeito de paráfrase, regularizados nos enunciados de sua obra A bala de ouro: história de um crime romântico. Para tornar possível a análise, fizemos um recorte da referida obra e seguimos as orientações postuladas pelos procedimentos teóricos e metodológicos da Análise do Discurso que se desenvolveram, a partir de 1969, com Michel Pêcheux e seus desdobramos posteriores no Brasil, com Eni Orlandi, e na França, com Jean Jacques Courtine. Consideramos que a linguagem enquanto discurso é interação social, é reprodução das relações de produção, ou seja, as condições sócio-históricas de um texto, que se encontram na exterioridade do sistema linguístico, atuam como memória discursiva na constituição da significação.  No processo de constituição de sentidos, a memória discursiva seleciona os enunciados que podem e devem se inscrever em uma determinada formação discursiva. Seguindo essa orientação, na análise de trechos da obra, consideramos como matriz de sentidos os discursos dos viajantes (do século XIX) sobre a cidade do Salvador, que em uma teia discursiva se remetem ao “sempre-já-lá” da interpelação ideológica, ao discurso fundador do Brasil, à Carta de Caminha. Entendemos que ao repetir a formação discursiva que se diz universal, Calmon procura reconstituir a memória social dominante da cidade do Salvador, valendo-se para isso das formações imaginárias de uma cidade fundada nos moldes portugueses, portanto, respaldada na tradição, mas que no tempo histórico da narrativa (1847) tem como formação discursiva antagônica as formações imaginárias impressas pela modernidade que se anuncia. Diante dessas formações discursivas postas em conflito, concluímos que Calmon segue uma orientação sociológica, que vai privilegiar a sociedade baiana enquanto região social, natural e singular.

Palavras-chave: Análise do Discurso; Cidade do Salvador; Formação Discursiva; Memória discursiva. 

Lei proíbe homenagens a exploradores de trabalho escravo



Lei publicada no "Diário Oficial da União" desta sexta-feira (11) proíbe homenagens a exploradores de mão de obra escrava. A lei passa a valer a partir desta sexta.
A lei 12.781, aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidente Dilma Rousseff, altera artigo de lei sobre homenagens em bens públicos e proíbe que a pessoa condenada ou notabilizada pela exploração de mão de obra escrava seja homenageada em nomes de ruas, obras e monumentos.
“É proibido, em todo o território nacional, atribuir nome de pessoa viva ou que tenha se notabilizado pela defesa ou exploração de mão de obra escrava, em qualquer modalidade, a bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou às pessoas jurídicas da administração indireta”, diz o texto.
Em junho, a comissão de juristas responsável por elaborar o anteprojeto do novo Código Penal aprovou a inclusão da redução do trabalhador a condição análoga à escravidão no rol dos crimes hediondos.
O crime hediondo tem punição mais severa – prisão em regime inicial fechado, maior dificuldade de progressão para regime semi-aberto e prisão temporária de 30 dias prorrogável por mais 30. A prisão temporária nos demais crimes é de 15 dias prorrogáveis por mais 15.
FONTE: G1 

Altera a Lei nº 6.454, de 24 de outubro de 1977, para vedar que pessoa condenada pela exploração de mão de obra escrava seja homenageada na denominação de bens públicos.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º O art. 1º da Lei nº 6.454, de 24 de outubro de 1977, que dispõe sobre a denominação de logradouros, obras, serviços e monumentos públicos e dá outras providências, passa a vigorar com a seguinte redação:
"Art. 1º É proibido, em todo o território nacional, atribuir nome de pessoa viva ou que tenha se notabilizado pela defesa ou exploração de mão de obra escrava, em qualquer modalidade, a bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou às pessoas jurídicas da administração indireta." (NR)
Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 10 de janeiro de 2013; 192º da Independência e 125º da República.
DILMA ROUSSEFF
Márcia Pelegrini
Luís Inácio Lucena Adams

ARQUIVO PÚBLICO DE ILHÉUS


Com problemas de depredação devido à falta de manutenção, dois importantes centros culturais e turísticos de Ilhéus – o Teatro Municipal da cidade e a Casa de Cultura Jorge Amado – passaram por vistoria da prefeitura até esta quinta-feira (10). Além deles, o Arquivo Público do município foi vistoriado na última terça-feira (8). De acordo com o laudo da perícia, o local não tem condições estruturais para continuar em funcionamento e será cercado por tapumes e uma ronda permanente da Guarda Municipal, para evitar ainda mais depredações. “O lugar se encontra em um estado muito grande de degradação. Há risco das paredes caírem, do piso ceder e até de incêndios”, constatou o presidente da Fundação Cultural de Ilhéus (Fundaci), Paulo Atto. Os documentos do acervo serão transferidos para outro local, mais “adequado”, de acordo com o órgão. Na próxima segunda (14), outro laudo conclusivo pode determinar a interdição do Teatro Municipal e da Casa de Cultura Jorge Amado. Ainda segundo a Fundaci, Atto realizará reuniões no Instituto de Proteção Artístico e Cultural (Ipac) e na Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult), em Salvador, para tratar de questões relacionadas à revitalização dos centros culturais. Outras construções depredadas, como o Centro Cultural de Olivença, a galeria de artes José Pinto, o Cine Fernando Leite e o Auditório Sosígenes Costa, ainda serão vistoriadas.
Fonte: BLOG DO DIMITRI 

Estudos entre Universidade de Coimbra e Brasil dão direito a bolsas



A Universidade de Coimbra (UC) anunciou esta quarta-feira a criação de um fundo de investigação e uma bolsa de doutoramento para estudantes que se proponham efetuar dissertações sobre as relações entre aquela instituição e o Brasil. 
De acordo com uma nota da UC, a bolsa de doutoramento "evoca o primeiro reitor da Universidade de Coimbra", Francisco de Lemos Coutinho - que liderou a instituição durante mais de 30 anos (entre 1770 e 1779 e de 1799 a 1821) e foi bispo de Coimbra - nascido no Brasil em Marapicu, Rio de Janeiro.
"A bolsa é de quatro anos e corresponde a 980 euros mensais", disse à agência Lusa fonte da UC. Já o fundo de investigação, com uma duração anual e dotação de três mil euros, homenageia Manuel de Paiva Cabral, matriculado em Leis no ano de 1577, "primeiro aluno brasileiro" que estudou na Universidade de Coimbra.
As primeiras bolsas vão ser atribuídas a dois estudantes brasileiros: Ediana Ferreira Mendes, que estudou na Universidade Federal da Baía, ruma a Coimbra para desenvolver um projeto de investigação, na Faculdade de Letras intitulado "Formação intelectual e ação episcopal dos arcebispos da Bahia (séculos XVII-XVIII)". Já Guilherme de Souza Maciel realizará um doutoramento em regime de cotutela com a Universidade de Coimbra na Universidade Federal de Minas Gerais, sobre o tema "Espetáculo da Natureza. A História Natural ao serviço da Coroa portuguesa (1770-1808).
Na nota, José Pedro Paiva, diretor do Arquivo da Universidade de Coimbra, considerou que a criação do fundo e atribuição de bolsas "é um projeto que permite estimular pesquisas históricas", tendo por base documental privilegiada os acervos guardados no arquivo que dirige.
O objetivo, disse, é também divulgar internacionalmente "o riquíssimo património documental relativo ao Brasil" existente na UC "que integra não apenas acervos atinentes à vida de escolares brasileiros, mas também outros cujo estudo deve ser estimulado para criar novo e rigoroso saber".
Por seu turno, o reitor João Gabriel Silva frisou que as bolsas Francisco de Lemos Coutinho e Manuel Paiva Cabral "são mais um elemento da ligação indelével entre a Universidade de Coimbra e o Brasil, país que desempenha um papel muito importante para a UC como charneira entre o novo mundo do Sul e o velho mundo do Norte".
A cerimónia de atribuição das bolsas decorre na sexta-feira, pelas 12h00, na Sala do Senado da Universidade de Coimbra.

DEFINIDAS INTERVENÇÕES EMERGENCIAIS NO ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA



Os secretários estaduais Rui Costa (Casa Civil) e Albino Rubim (Cultura) definiram nesta quinta-feira (10), com o superintendente do escritório regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC), Carlos Amorim, os encaminhamentos necessários para dar agilidade às intervenções estruturantes no Arquivo Público do Estado da Bahia, em Salvador.
Durante visita ao Arquivo, foi acordada como primeira intervenção a ser realizada, a adequação do projeto de requalificação do sistema elétrico. “O projeto elétrico é o ponto prioritário, seguido da intervenção no telhado e forro do prédio”, disse o secretário Rui Costa.
Para as obras na parte elétrica estão sendo investidos R$ 843 mil em recursos estaduais. Já para o restauro do telhado, além da estabilização da estrutura física, o valor do investimento é de cerca de R$ 1,3 milhão, proveniente de empréstimo junto à Caixa Econômica. O encontro abordou ainda o projeto geral da parte física do empreendimento, além da interação com a vizinhança. 
A reunião contou com a presença da diretora do Arquivo Público da Bahia, Maria Teresa Matos, a chefe de gabinete da Fundação Pedro Calmon, Andrea Montenegro, o diretor-geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), Frederico Mendonça, além de representante da Superintendência de Construções Administrativas da Bahia (Sucab), responsável pelas obras.
O Arquivo Público é considerado, pelo Arquivo Nacional, a segunda mais importante instituição arquivística do país. O patrimônio documental custodiado ultrapassa os 25 quilômetros. Dois itens do seu acervo documental receberam registro como Memória do Mundo pela Unesco - o conjunto documental do ‘Tribunal da Relação do Estado do Brasil e da Bahia (1652-1822)’ e o conjunto documental ‘Registros de entrada de passageiros no porto de Salvador (Bahia): 1855-1964’. Esses títulos confirmam o valor excepcional do Arquivo para a memória nacional.

CONCURSO DE MONOGRAFIAS

A Universidade e a formação para o Ensino de História e Cultura Africana e Indígena

REVISTA HISTÓRIA HOJE


A Revista História Hoje publica artigos relacionados à temática de História e Ensino com a finalidade de promover a divulgação de artigos, projetos e experiências nesta área e também criar um espaço institucional de debate relativo aos campos de trabalho dos profissionais de História. 

O ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA PEDE SOCORRO!

Não é sedutora esta vista romântica e atemporal? Lhe convido a 
conhecer as seduções, mas também os dramas quotidianos do Arquivo Público da Bahia.
Para início de conversa, a escolha da Quinta do Tanque para abrigar o Arquivo Público, hoje sob a batuta da Fundação Pedro Calmon, não podia ser mais errada, pelo simples fato do belíssimo edifício do século XVIII ter sido construído numa bacia. Rodeado de morros, recebe as águas de todas as chuvas, conservando uma inadequada umidade durante o ano inteiro, agravado pela ameaça de deslizamento de encostas, como ocorreu há pouco tempo.

Infelizmente lhe será difícil desfrutar sem restrição da vista de tão elegante edifício, já que as autoridades – Prefeitura? Iphan? Ipac? – nunca fiscalizaram o entorno da Quinta e hoje, quem chega é logo agredido pela poluição visual de construções mal equilibradas e sem acabamentos que dominam os antigos telhados pombalinos. Ora, é de conhecimento de todos os que estão envolvidos com patrimônio material, que o entorno faz parte de qualquer monumento tombado. Ou você acha que, junto ao sitio do Machu Pichu ou em Veneza, iriam permitir um espigão ou uma favela?
Desde o dia 10 de fevereiro de 2010, as arcadas que formam o pátio, com discreto toque francês, são palco de uma curiosa animação. São funcionários da casa que trabalham na restauração e conservação dos preciosos livros e documentos. Por que fora das salas especialmente concebidas para esta tarefa? Por que foi neste dia que faltou eletricidade na maior parte do solar e até hoje o problema não foi solucionado. Já se passaram três anos...
Quem passeia na agradável sombra do corredor externo, ao levantar os olhos, poderá constatar enormes buracos, abertos, supõe-se, por profissionais cientes da complexidade da intervenção, com o lógico acompanhamento de responsáveis.





















Não havia possibilidade de outras soluções?
A imprensa nacional já denunciou este escabroso abandono. Não devemos esquecer que nestes muros, grande parte da memória do Brasil está conservada, com enormes dificuldades, por uns 40 funcionários -contando efetivos, ou seja, funcionário públicos, mais os estagiários e outros - dedicados e entristecidos. Aqui podem consultar preciosidades como o conjunto documental do Tribunal da Relação do Estado do Brasil, atual Tribunal de Justiça. Só nesta coleção estão reunidos cerca de 60.000 documentos produzidos entre 1652 e 1822, como termos de posse de desembargadores, processos e sentenças judiciais. A partir desses registros, os pesquisadores têm reconstituído aspectos de nossa burocracia e da sociedade colonial.


Acompanhe essa triste História: 










ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA




O fato de a ex-vereadora Olivia Santana necessitar de um emprego público é uma coisa. Outra é colocá-la no primeiro espaço vago, como por exemplo, o Arquivo Público, que o intelectual e integrante da Academia de Letras da Bahia, Ubiratan Castro, cuidava com carinho. Na verdade, Bira era presidente da Fudação Pedro Calmon, da qual o Arquivo é apêncice. Na Fundação não pode, porque cuida de todas as bibliotecas do Estado. Então, só se for desmembrando o Arquivo Público, o que seria um absurdo, mas é o que se aventa. Mas absurdos e Bahia são quase sinônimos. Num aviso aos navegantes, é bom saber que o Arquivo exige também requisitos, entre os quais ser conhecedor de documentos históricos, saber lidar com eles, ser enfim, um nome de conhecimentos, culto, intelectual como foi o saudoso Bira. Olívia Santana tem algum desse requisitos? Não. Assim posto, ela não pode ser nomeada, sobretudo para que o governo não passe a zombar da cultura da Bahia, se é que ainda há cultura, ou apenas lembrança dela por essas plagas.

Homenagem ao dia do Fotógrafo e da fotografia: Gaensly Guilherme na Bahia

O fotógrafo Guilherme (Wilhelm) Gaensly (1843-1928), nasceu no cantão de Thurgau, na Suíça, mas veio para o Brasil ainda criança. Já em 1871, estava radicado em Salvador (BA), onde iniciou a carreira abrindo o estúdio Photographia Premiada. Associado, mais tarde, a Rodolpho Lindemann, Gaensly elabora, entre outros, o Álbum da Estrada de Ferro Central de Alagoas, Maceió e Vila Imperatriz. Em 1895, transferiu-se para a capital paulista e abriu uma filial da Photografia Gaensly & Lindemann, na Rua XV de Novembro.  Durante mais de 25 anos, Gaensly contribuiu com a São Paulo Tramway Light and Power Company e com instituições públicas como a Secretaria de Agricultura. De 1900 a 1910, já trabalhando sozinho, num estúdio da Rua Boa Vista, editou várias séries de cartões-postais sobre a cidade de São Paulo, fazendas de café e o Porto de Santos. Até 1921, produziu milhares de imagens, que hoje têm importância central na iconografia da cidade de São Paulo do início do século. A coleção aqui digitalizado data de 1911. Contém 24 fototipias de Gaensly, e foi doado ao Arquivo Público do Estado de São Paulo em1980.



Paço da Câmara Municipal da Bahia, 22 de setembro de 1879.
Nº 41                                                                 Ilustríssimo Excelentíssimo Senhor.
A Câmara desta Cidade restituindo a Vossa Excelência as duas petições do cidadão alemão Gaensly Guilherme, que deseja abrir janelas no prédio nº 92 ao Largo do Theatro, que alugou ao Mosteiro de São Bento para estabelecer ali o seu atelier, significa a Vossa Excelência que derrogou a licença requerida pelo suplicante para a obra que projeta, pelo mesmo motivo porque já se havia negado a deferir igual pedido do dito Mosteiro, por quanto ignorava, como não sabe ainda, qual o emprego que essa Presidência vai dar ao terreno da antiga Recreativa, adquirido pela província; podendo vir a acontecer que as janelas e portas, com que se pretende melhorar o referido prédio, venham de futuro transtornar ou dificultar o plano da obra que o Governo tenha de praticar no referido terreno. Acresce que o peticionário não é o competente, sem mostrar-se legalmente autorizado para requerer a concessão á que se alude, e a qual a Edilidade por enquanto se julga impedida de fazer, em vista da razão exposta.
Deus Gurde a Vossa Excelência
Ilustríssimo Excelentíssimo Senhor Doutor Antonio de Araújo de Aragão Bulcão,
Presidente desta Província.
Assinaturas.

Fonte: 
Arquivo Público da Bahia 
Seção de arquivo colonial/provincial 
Governo da província - documentos avulsos 
Correspondência recebida da Câmara de Salvador 
1879-1880 - Maço: 1413 
OBS: Anexo mapa do Largo do Theatro. 

DIA NACIONAL DA FOTOGRAFIA E FOTÓGRAFO



Artigos sobre as relações entre fotografia e patrimônio; fotografia como objeto de coleção e da história; fotografia e representações simbólicas da cidade, da nação, do trabalho e da religiosidade; e fotografia e criação cultural, especialmente no Brasil. Com a participação de autores como Sebastião Salgado, Jorge de Lima, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Tom Jobim, Chico Buarque, Newton Mendonça, Jorge Wanderley, Augusto de Campos, João Cabral de Melo Neto e Armando Freitas Filho.

Missa em homenagem ao professor Ubiratan Castro será realizada na manhã desta sexta-feira


Foto: Carol Garcia / SECOM

Uma missa em homenagem ao professor Ubiratan Castro de Araújo será realizada às 8h, desta sexta-feira (04), no Palácio da Aclamação (Campo Grande), local onde o corpo do historiador está sendo velado nesta tarde. A cerimônia será presidida pelo Pe. Lázaro Muniz e contará com a participação dos membros da Venerada Ordem do Rosário de Nossa Senhora dos Homens Pretos a Portas do Carmo, que tinha o professor Ubiratan como Irmão Professo. Às 10h desta sexta-feira, ocorre a cerimônia de cremação, no Cemitério Jardim da Saudade, em Brotas.
Líderes religiosos lembraram com pesar a relação do professor Ubiratan Castro com as religiões africanas. “Para nós da Acbantu, o professor Ubiratan foi como um padrinho. Ele foi um homem responsável, contribuiu muito com nossa religião que hoje perde um importante mentor que ajudou muito o povo de terreiro nas questões sociais”, disse Raimundo Komanaji, presidente da Associação Cultural de Preservação aoPatrimônio Bantu.
Para Cecília Soares - Doutora em História, autora de livros e yalorixá do Terreiro Maroketu, em Salvador - o professor mantinha uma relação muito forte com a religião africana: “Ele tinha carinho e um compromisso moral com nossa religião. Há muitos anos frequentava o terreiro com sua família. Esta afetividade e crença sempre serão lembradas, Bira sempre representou nossas comunidades e lutou pelo reconhecimento do nosso terreiro como patrimônio religioso.”
Ubirajara Santa Rosa, prior da Irmandade de Rosário dos Pretos, ressaltou a estreita relação que Ubiratan Castro mantinha com a irmandade: “Ele tinha zelo e carinho por nossa irmandade, durante o tempo que passou por aqui ele fez laços de amizade. Nessa missa que o homenageará, nós pretendemos transmitir a alegria que ele sempre gostou com tambores e atabaques. A comunidade negra sentirá muita falta do nosso mestre Ubiratan Castro.
Historiador, professor da UFBA e diretor da Fundação Pedro Calmon/SecultBa, Ubiratan Castro morreu aos 64 anos, na manhã desta quinta-feira (03), em decorrência de uma infecção que se agravou nos últimos dias. Ele era renal crônico e estava internado há cerca de dois meses no Hospital Espanhol, em Salvador.

MORRE O HISTORIADOR UBIRATAN DE CASTRO ARAÚJO



Ubiratan Castro de Araújo foi mais um dos estudantes que realizou a sua formação acadêmica no período mais duro da ditadura militar brasileira, graduou-se em História pela Universidade Católica do Salvador (1970), e em Direito pela Universidade Federal da Bahia (1971). Meio ao turbilhão da época realizou o Mestrado em História na Université de Paris X, na, França.

Em 1978 Ubiratan Castro de Araújo passou a lecionar na Universidade Federal da Bahia, ensinado as disciplinas Introdução ao Estudo da História, História Contemporânea, Historiografia, Pesquisa Histórica, História Moderna, História da África, História do Brasil e História da Bahia, dentre outras. Na pós-graduação Ubiratan Castro ensinou Temas Selecionados de História Política do Brasil, Temas Selecionados de História Social Brasileira, Métodos da História, História Social - Estruturas Sociais, Pesquisa Supervisionada, Temas Selecionados- Escravidão e Liberdade.

Entre 1988 e 1992 o Professor Ubiratan Castro de Araújo retornou a Paris, desta vez na Sorbonne, para fazer o seu Doutoramento em História, defendendo uma tese sobre economia esclavagista na Bahia, orientado pela professora Kátia Mattoso. Ubiratan Castro de Araújo exerceu ainda as funções de Coordenador do Mestrado em Ciências Sociais, do Mestrado em História, a direção do Centro de Estudos Afro- Orientais. Até que em 2003 foi convidado para a direção da Fundação Cultural Palmares, no Governo do Presidente Luis Inácio Lula da Silva.

À frente da Fundação Cultural Palmares, Ubiratan Castro de Araújo teve o mérito de acelerar as titulações de terras em caráter imemorial por parte das comunidades remanescentes de quilombo, apropriando-se da re-semantização do termo e viabilizando a aplicação do artigo 68 das disposições transitórias da Constituição de 1988, transformando-a em Lei.

Em 2007 o Professor Ubiratan Castro assumiu a Direção Geral da Fundação Pedro Calmon – Centro de Memória e Arquivo Público da Bahia. Por sua trajetória o Professor Ubiratan Castro de Araújo recebeu o prêmio Troféu Clementina de Jesus, conferido em 2001 pela União dos Negros pela Igualdade; A Medalha do Bicentenário da Restauração Portuguesa, Academia Portuguesa de História (2001)

Medalha Ordem do Mérito Zumbi dos Palmares - Grau Comendador, Governo do  Estado de Alagoas (2005) Insignia da Ordem do Rio Branco, Ministério das Relações Exteriores (2005)
Medalha Zumbi dos Palmares, Câmara Municipal de Salvador (2006) Doutor Honoris  Causa, UNI-American Universidade Corporativa das Américas (2007) Publicou seis livros, vários artigos em revistas acadêmicas e científicas, possui inúmeras participações em eventos de caráter científico, cultural e político. 

Tendo o Negro e a história Baiana como seus temas mais abordados. Por tudo isto a Fundação Maurício Grabois Homenageia Ubiratan Castro de Araújo, unindo-se a todos e todas em agradecimento a sua contribuição para a nossa cultura.